segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Os títulos dos livros deviam todos conter uma história em si mesmos, deviam ser como as fitas encarnadas dos presentes, aquelas fitas largas bem amarradas num grande laço, mas aqueles laços que, quando se puxa pela ponta certa, de desfazem impecavelmente e nos deixam ver o que está lá dentro

Talvez neste aspecto o Lobo Antunes seja o expoente máximo e o Philip Roth o mínimo.


40 comentários:

  1. Concordo, (adoro os títulos do António Lobo Antunes), mas pior que o Philip Roth é o Irvine Walsh =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os títulos do Lobo Antunes são quase eles próprios um livro :)

      (os do Roth irritam-me de tão maus, acho que o único que desperta algum interesse é o "casei com um comunista", porque uma pessoa acaba por querer saber como é a vida com uma criatura de escolhas tão, como hei-de dizer para que não ser espancada... enfim... peculiares! :D)

      Eliminar
    2. Os comunistas,são pessoas normais de carne e osso esta a ver?Não me diga que ainda pensa que comem criancinhas ao pequenos almoço...o seu amigo P.P.C.& Companhia,é que fizeram com que muitas criancinhas não tivessem pequeno almoço.

      Eliminar
    3. Palmi de mê coraçãum, só bim aqui deixar um cumentário a cumentar que adóru estes sêus anonímuzinhus amórosus. e ólhe quê'u sou d'squerda.

      Eliminar
    4. Minha nossa, tá dificiu mêmo, o péssoau adora si ofender e lévar tudo muita à sério, né?!

      Eliminar
    5. É isso aí, cara! Lá nuis Brasiu a isquerda é bem mais animada... bom, tauveisss a direita também... Um sambinha no pé e uma cachaça na mão faiz toooda a diferença! :D

      Eliminar
    6. Eu, também curiosa e dando asas ao David Attenborough que há em mim, comprei esse livro do Roth. Se li vinte páginas foi muito.

      Eliminar
    7. Ahhahahhahhahahhahahhahahahhahhahha
      Vês, foste levada pelo poder do título! :DDDDDDDDD

      Eliminar
  2. Se hoje qualquer um escreve um “livro”, para adormecer os filhos e completar com a àrvore que plantou e o pinheiro de Natal que comprou, os títulos, enfim, os títulos são a despachar.

    ResponderEliminar
  3. Os livros de António Lobo Antunes têm, na minha opinião, os títulos mais belos de sempre :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho que sim. Já que não ganha o da Literatura, devia ganhar o Nobel dos títulos :D

      Eliminar
  4. O título que para mim melhor conta uma história (e que história), pertence a Gabriel García Márquez:
    La increíble y triste historia de la cándida Eréndira y de su abuela desalmada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o Gabriel Garcia Márquez também está bem classificdo no ranking de títulos mas se tivesse de escolher só um, escolhia, hum... talvez... brrrrrrr.... estou indecisa entre "Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra No Mar?" e "Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura", mas ainda assim acho que escolhia o primeiro :)

      Eliminar
    2. ("olhos de cão azul" também é um título candidato ao pódio :)

      Eliminar
  5. Em tempos, o Miguel Esteves Cardoso escreveu uma crónica na qual defendia que escritor que se prezasse não punha tempos verbais nos títulos dos livros. A partir daí fiquei com a mania de verificar se os titulos têm ou não verbos. Salvo erro, nenhum do Eça ou do Camilo têm. Já os escritores contemporâneos, Lobo Antunes incluído, usam e abusam dos ditos.
    E, claro, o próprio MEC também o fez (deve ser da fase em que andava a bater válvulas, considerando o título propriamente dito...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, não sei, se calhar há regras que desconheço, mas mais do que as regras, para mim, o título tem de contar uma história só por si :)

      Eliminar
  6. Javier Marías costuma ter títulos muito bons. E conteúdo ainda melhor. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que coincidência, estou a ler o primeiro volume d'"O Teu Rosto Amanhã", do Javier Marías! :D
      Também adorei todos os livros que li dele :)))

      Eliminar
  7. Tenho estado para pegar nele. É um dos meus escritores favoritos. O meu livro preferido continua a ser o primeiro que li dele, "Os Enamoramentos". A história em si acaba por ser relativamente simples, mas preenchida por reflexões muito interessantes, e atrai-me muito a ambiguidade do final.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse não li. Dos que li, acho que o que gostei mais foi o "Assim começa o mal". E estou a gostar muito deste (apesar de ter uma série de gralhas injustificáveis)...

      Eliminar
    2. Recomendo. ;) De tradução? A Alfaguara costuma ser uma editora cuidadosa, pela minha experiência.

      Eliminar
    3. erros ortográficos...

      (vou acrescentar à minha lista, mas primeiro tenho de ir confirmar se não o tenho ali na pilha de livros não lidos, que ultimamente, tal é a magnitude da pilha, já comprei umas quatro ou cinco vezes livros repetidos :D)

      Eliminar
    4. Isso é que é pior...

      (Talvez os repetidos possam servir de prendas de Natal... ;) )

      Eliminar
    5. (bem me parecia... já o tenho cá! :D)

      Eliminar
    6. Esses erros batem o que li por 2 vezes num livros de cento e poucas páginas?
      Aprecei-me! 2 vezes!
      Incrível

      Eliminar
    7. Também eram mauzinhos. Lembro-me que logo ao início falta uma palavra numa frase, que a pessoa fica ali para trás e para a frente a tentar perceber o que se passa, ontem vi qualquer coisa como um "gostas-te" em vez de um "gostaste". Não tenho a certeza se era essa a palavra mas era esse o erro...

      Eliminar
    8. Então, eu às vezes apresso-me a apreçar-me... Às vezes julgo-me valer milhões outras vezes... Enfim. Depende da conjugação astral. ;D

      Eliminar
    9. Pois! Às vezes eu gosto-me (nos dias em que me apreço em milhões), outras nem por isso (quando os milhões passam a tostões). :DDD

      Eliminar
  8. Já viu que publicaram um livro de contos do autor de o leopardo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabia. Já fui ver e juntá-lo ao meu cesto de compras :)

      Eliminar
  9. Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não! Não!
    Tenho ali uma pilha enorme de livros por ler, porque é que incentivas (incentivam, pq os teus leitores também são "desagradáveis") para que a pilha cresça mais?? Porquê Palmier? Porque és tão cruel????
    (Bom dia!!! =) )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me digas nada! A minha também está totalmente descontrolada! Ainda por cima, com a expectativa da mudança, não tenho estantes para arrumar os livros, que estão empilhados no quarto, à maluca!, qualquer dia, se me distraio, sou engolida por eles, é o que te digo! Também preciso de ajuda! :DDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  10. Ai os livros...!
    O último de Lobo Antunes também tem um título muito bom. Até que as pedras se tornem mais leves que a água.
    Estou a ler o meu primeiro de Yourcenar, Memórias de Adriano. Está a ser notável.
    Já comprei os volumes de O conde de monte cristo e a este ritmo não me fico por aqui :))

    ResponderEliminar
  11. Gosto de liberdade criativa, que cada autor se sinta à vontadinha para fazer o que lhe der na real veneta, dê por onde der.
    O que não suporto são modas. Aquela coisa de seguir tendências porque sim, porque sei lá, há uma garantia estatística de melhores resultados no mercado, whatever. Um bom exemplo foi a fase em que se pariam publicações (escrevi livros, mas tive que corrigir, pois nem tudo o que é publicado merece o epíteto), a torto e a direito com uma só palavra.

    ResponderEliminar
  12. Há uns dias procurei na Fnac um livro de Bukowski - uma reunião de poemas - cujo titulo é: "Amor é tudo que nós dissemos que não era". Não havia o livro cá e que podiam mandar vir do Brasil, mas o preço seria 69,00€ + portes de envio. Caro! - disse eu para o funcionário que me atendia. O qual me responde: pois, com um titulo destes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. <3 <3 <3

      (a fnac que conserve esse funcionário! :D)

      Eliminar