terça-feira, 3 de junho de 2014

Mas toda a gente tem recordações absolutamente extraordinárias e fofinhas da Feira do Livro?!

Só eu é que não?! Só eu é que recordo um calor medonho, horas para descer até lá abaixo, parar em todas as bancas, com especial ênfase nas de ficção científica e de física quântica, sacos e sacos cheios de livros, carregar com aquilo tudo por ali acima?! Ainda hoje, e sempre que penso nisso, tenho pena de mim própria...  

29 comentários:

  1. Calor medonho: checked
    Horas a descer (pior é subir): checked
    Parar em todas as bancas: checked
    Sacos e sacos cheios de livros e carregar com aquilo tudo por ali acima: checked

    Agora isso não acontece porque chove ou faz vento e os descontos não compensam, por isso não se anda carregado.

    ResponderEliminar
  2. Esqueceu um pormenor: hordas e hordas de gente, gente que pára nos corredores a cumprimentar tudo e todos, a entupir o caminho, gente que não percebe que só está ali a estorvar, que podiam ao menos fazer um esforço para serem minimamente educados.
    A Feira do Livro até podia ser um local agradável se não fossem as pessoas!

    (Estou a brincar, evidentemente. Ainda bem que a Feira do Livro se enche de gente. Mas são resquícios de ter cometido a estupidez de ir para lá no passado Domingo à tarde, debaixo desse tal calor medonho, cheia de dores nos pés e num dia em que tradicionalmente as famílias caem lá todas com as suas criancinhas. E soube-me muito bem ter encontrado aqui alguém que, pelos vistos, sente como eu.)

    ResponderEliminar
  3. Olha, eu também! E sempre imenso calor, o sol a queimar-me, os pés a doer e isso. Não me lembro de achar a Feira fofinha, mas gosto dela, vá-se lá saber porquê. E também me lembro da Feira na Avenida, que era ainda pior por causa dos desníveis dos passeios, mas isso é porque já sou um bocado antiga :).

    ResponderEliminar
  4. Eu também me lembro de ir com o meu pai à Feira do Livro, de ele parar em todas as bancas,ser conhecido de quase todas as editoras, demorar demasiado tempo nos alfarrabistas, o que me deixava a mim e à minha irmã quase à beira das lágrimas! Para nós aqueles livros não tinham graça nenhuma, a não ser a hipotese remota de descobrir uma traça fossilizada, ou outro bicho semelhante, entre as paginas de algum deles. Mas apesar de tudo, do calor, do peso dos sacos, do tempo que o meu pai demorava, tenho muitas saudades de ir com o meu pai à Feira do Livro.

    ResponderEliminar
  5. sim, tudo isso. pôxa!
    e agora junta a tudo isso a constante gritaria (voz off) que alerta para as promoções do dia e para os lançamentos/entrevistas e sessões de autógrafos com os autores. absolutamente insuportável.

    penso sempre que feira do livro é uma contradição nos termos...

    ResponderEliminar
  6. Depois de tudo isso, os preços estão iguais a algumas livrarias com o piso direito e carregadinhas de ar condicionado. Apesar disso, irei encharcar-me de bolhas nos pés, transpirar que nem um porco e poupar trinta cêntimos nos dez livros que irei comprar. É essa a magia da feira do livro. É não ter magia nenhuma, a não ser divulgar aos outros que já se foi lá. É como falar do tempo num elevador.

    ResponderEliminar
  7. Checked, checked, checked, checked!
    Só as bancas é que eram diferentes.
    E reeeeeeeeeeeesmas de gente!

    ResponderEliminar
  8. eu por acaso não, acabei de fazer um post sobre isso, mas atenção que eu amo a feira do livro, as farturinhas e mexer nos livros da leya com as mãos cheias de gordura

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As senhoras da Leya também devem adorar! :DDDDD

      Eliminar
  9. Checked, checked, checked, checked, com a agravante de ter trabalhado na feira do livros dois anos. Nem imaginas como aqueles pavilhões (bancas) são quentes lá dentro. É uma sauna!!!

    ResponderEliminar
  10. Palmier, temos de ter uma conversa muito séria. Então mas afinal a menina é casada com o marido da outra ou são tudo invejas?!

    Anda uma gaja a passear pela blogo e descobre que afinal D. Pipoco não é casado com Mais Picante coisa nenhuma, nem têm filhinhos loirinhos, de olho azul, todos em Ralph Lauren. Pois que afinal D. Pipoco é marido de Palmier, que toda a gente sabe, dizem eles, e que o segredo (desvendado) está no fato às riscas, pelos blogo-deuses se não é verdade.

    E uma gaja quase desmaia com tanta confusão matrimonial, e raios ma partam se eu não exijo a verdade, nada menos que a verdade, pois que aqui há uns tempos votei no senhor para BILF e agora preciso mesmo de saber para qual das duas envio eu o sacana do cartãozinho com um pedido de desculpas (isso e um par de meias novinho e em bom, que aquilo não são modos de se deixar o esposo aparecer na blogosfera).

    (Disso da feira do livro não sei nada que eu só leio blogues - e rótulos de shampoo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai minha nossa Senhora, que não me faltava mais nada! Querem lá ver que agora sou casada com o marido de outra e não sabia?! À cautela vou verificar a gaveta das meias, só numa de ter a certeza! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Então a Palmier é que tem o troféu em casa e não dizia nada a ninguém????

      Eliminar
    3. Oh pah... estou feita convosco... ! Não! Não tenho cá troféu nenhum!

      Eliminar
    4. A Palmier talvez não saiba que o excelso esposo é o Pipoco. Já viram quão espetacular isso era?!

      Por outro lado, A Picante não era um "ele" e o Pipoco não seria uma "ela"? (li essa teoria algures)

      Eliminar
    5. Vá lá, assume.
      Já te descobriram a careca (salvo seja) e já, não continues a negar…
      Passo a citar a Inês "São casados e adoram-se! Não são nada como o MM e a Barbara que era só para a foto!"
      Vá lá...

      Eliminar
    6. Ahahhahahahhahahahahaahhahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahhahahahahahaahhahahahahahhahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahhahahaha

      Mas está tudo louco e querem-me deixar louca também?! Querem lá ver que, afinal, não conheço o meu próprio marido?! :DDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    7. Que romântico, Palmier!

      Eliminar
    8. FILHA!,!!!!??????
      Não me disseste nada ......

      Eliminar
    9. É verdade, é verdade. Eu era casada com ele, veio a piranha da Palmier e pufff. Levou-me. Agora estou desamparada e triste enquanto a Palmier anda aí feliz da vida, é que nem deixa as criancinhas verem o pai. Uma malvada, é o que é.

      Eliminar
    10. Olha.... o que tu queres é bananinhas! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
    11. Isso é de facto uma história muito comovente, mas na verdade o que me interessa mesmo é saber para qual das duas envio o cartão com o pedido de desculpas (e as peúgas, claro está). Em o homem sendo realmente aquilo que o próprio apregoa, partilhem-no! Vale mais um maravilha a partilhar com uma amiga do que uma coisa reles só para nós.

      AHAHAHAHAHAHAHAH

      (E a certeza ceguinha com que nesta blogolândia se fazem afirmações sobre a vida pessoal das bloggers que não se conhece de lado nenhum? A minha alma fica parvinha!!)

      Eliminar
  11. Obrigada Palmier... por isso é que és a Deusa da blogosfera...
    UFA!!! Já posso dormir. Sou mulher e mãe... é que não dá! Uma arreliação só.
    Uns à pancada por essa questão de homens e mulheres e "as mulheres são umas desgraçadas e os homens uns mauzões, apesar de haver um blog que até elegeu o melhor blogger masculino para fazer o amor e tal" (se fosse ao contrário, cruzes canhoto que as mulheres são objectos), adiante...depois a questão da "pimenta no anûs dos outros é refresco para mim", outros com a discussão sobre: devemos ralhar aos meninos, e colocar-lhes limites e dizer "não" vs nunca devemos contrariá-los e devemos amá-los e dar beijinhos e praticar uma educação de fofurices e meiguices.... UFA!!! Já não dava mais. Finalmente um post fora destes temas. OBRIGADA!!!!
    Em relação à Feira do Livro, não faço a mínima ideia...nunca fui à de Lisboa... mas o tema é espectacular!!! ADOREI!!!!
    Já agora, tenho saudades da Cutxi... para quando uma novo foto a maltratá-la? :):):)
    Volta Cutxi... sem medo...a Palmier protege-te das sensibilidades da malta... (acho eu!!!).
    ;);)

    ResponderEliminar
  12. Fui lá no Domingo e detestei!!!! Muita confusão e a ideia( brilhante)!?? de porem as barracas das farturas e dos couratos junto aos pavilhões dos livros,parecia que andava numa festa de aldeia! ( nada contra, mas a feira do livro é única) ! Que saudades da Av. da Liberdade!

    ResponderEliminar
  13. Ñão vou há Feira do Livro (de Lisboa) há pelo menos quatro anos, era a minha filha bebé. Da última vez que fui achei que desconto nenhum (a na altura não eram nada de especial) compensavam a confusão. Mas se calhar o meu problema são mesmo as feiras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tá tá tá...
      Pois sim.
      Sabe bem que o seu problema é a gorjeta ao arrumador do carro.

      Eliminar
  14. As piquenas de cá e os piquenos delas foram, secaram, e acharam que este ano a diferença não era muito vantajosa, ainda assim, compraram ... sei que é para me oferecerem, mas não sei o que foi...

    ResponderEliminar