quarta-feira, 12 de junho de 2013

Palmier presta conselhos aos detentores de viaturas de conceituadas marcas alemãs

O detentor de uma viatura de uma conceituada marca alemã nunca a deve manter tal e qual como à saída do stand, o detentor não pode exibir a sua viatura de conceituada marca alemã como um exemplo contemporâneo de uma aldeia da roupa branca, o detentor da viatura topo de gama da conceituada marca alemã tem de perceber que o reluzir da pintura cintilante, o imaculado interior e o aprumo dos bancos de pele criam na mente do incauto meliante imagens idênticas à secção de gadjets da Fnac, o meliante imagina de imediato iPads no interior do porta-luvas, Nintendos na bolsa da porta, portáteis da Apple no porta-bagagem e, agindo como um autómato, o pobre meliante perde o controlo sobre os seus actos e, depois de perpetrar uma pintura rupestre do paleolítico superior na pintura metalizada, sente que tem de invadir aquele harém de gadjets o mais rapidamente possível. É por isso que o meliante opta por entrar pela janela, ao invés da porta. Assim sendo o detentor de uma viatura de uma conceituada marca alemã deve, desde o primeiro dia, disfarçá-la de Dacia Duster que, como todos os detentores de viaturas de conceituadas marcas alemãs sabem, não suscitam qualquer interesse nos meliantes. Para atingir esse objectivo, os detentores de viaturas de conceituadas marcas alemãs devem começar por espalhar no seu interior pinipons, daquelas com purpurinas impossíveis de apanhar, seguidas de um pacote de bolachas já aberto, um baldinho de areia da praia, uma camisola amarfanhada no banco da frente, uma casca de laranja cortada em espiral pendurada no retrovisor, uma couve roxa no cinzeiro, umas latas de cerveja no tablier... enfim, para evitar esses estralhaçamentos que vi por aí referidos, os detentores de viaturas de conceituada marca alemã devem encarar o seu automóvel como uma instalação de arte moderna em constante mutação... e, depois de, com estes pequenos gestos, garantirem a segurança das mesmas, bem, depois é só tomar-lhe o gosto e dar asas à imaginação!

11 comentários:

  1. será que podemos ver uma foto a ilustrar este belo conselho?

    ResponderEliminar
  2. Não sou pelas marcas alemãs. Demasiada austeridade faz-me mal à úlcera nervosa...

    ResponderEliminar
  3. Bastava uns pinheirinhos de vārios aromas e cores e um Rosário pendurados no retrovisor... cheira a alugado para as férias a kms de distância. ...

    ResponderEliminar
  4. Dacia Duster também não dá.
    Toda a publicidade é aceite quando a fonte é idónea. Talvez um Fiat Uno.

    ResponderEliminar
  5. Não é por nada palmier mas parece-me que alguns detentores das tais viaturas de conceituada marca alemã vão preferir comprar um vidro por semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-lhe mal, ora que coisa!!

      Eliminar
  6. Ah! Eu já sabia disso. Por isso é que uso imensos pacotes de bolachas esmigalhadas, brinquedos e roupa espalhada no banco de trás como adornos.

    ResponderEliminar
  7. Ca nojo! Tio Pipoco, venha cá ver isto! :P

    ResponderEliminar
  8. E para as pessoas que tenham um não conceituado carro que é (parcialmente) de uma marca alemã, mantém-se? É que o meu tem sempre um ar de chiqueiro e nunca ninguém lhe toca. Até porque se sujavam todos.

    ResponderEliminar
  9. O meu BM como não é meu, mas da empresa, ninguém lhe toca. Uma vez até deixei as janelas abertas 1 semana, a chover e entraram lá dentro para colocar esferovite e cartão para que a chuva não entrasse tanto. Já o meu Ford Escort de 1992 foi arrombado várias vezes e desapareceu 3 meses, sendo encontrado em Mem Martins.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahhahahahahahahahahahahahahahahhahahahah eu tive um alfa-romeu (não sei onde estava com a cabeça) que deixava entrar água... que eu, de manhã, retirava com uma pá... também nunca foi roubado... acho que os ladrões não vinham preparados com galochas :DDDDDD

      Eliminar