quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Mas se quiseres ter apenas um bom blog...

Então a regra é quebrar as regras, deixar uma pitada de ti em cada post, não te preocupes em escolher ingredientes mágicos nem palavras extraordinariamente bonitas, as melhores receitas conseguem-se sempre com os sabores mais simples, mas se tu estiveres lá, nas palavras que deixas no blog, quem está do outro lado reconhecer-te-á sempre, independentemente da forma como empratas os teus posts, e os teus leitores continuarão a ser teus leitores mesmo que a mão te falhe aqui e ali, e se depois de carregares no botão de "publicar" te sentires como naquele momento em que desligas o forno e vês que o soufflé não chegou sequer a crescer, não esmoreças, vai ao drive in, compra um hambúrguer, põe-lhe um pickle em cima, e ri-te com quem está do outro lado, vais ver que falarão desse jantar durante muito tempo. Se, por fim, tiveres de roubar ideias para um post, não hesites, veste o teu fato de Ninja, amarra uma fita à cabeça, leva um saco daqueles pretos ao ombro e enche-o daquilo que vês à tua volta, torna-o teu, podes fazê-lo sempre, desde que cumpras uma única condição: que garantas que o resultado é melhor que o original. 



14 comentários:

  1. Gostei da parte do drive in, deixou-me com fome! Do resto pronto, ainda bem que este não é apenas um bom blog, mas sim um blog espectacular :D

    ResponderEliminar
  2. estranhamente, também por aqui, me lembro de Faciolince,

    «Àquele insolente que anda atrás de ti sem perceber que tu não queres; a esse que te encosta a coxa ao joelho e te põe a mão no corpo sem graça e sem efeito, ou com efeitos de rejeição; a esse, mais fastidioso que um mosquito ao adormecer, mais incómodo que uma pedra no sapato, importuno como uma bolha no nariz, como comichão em má hora e pior parte, nauseabundo como fedor em hora de almoço, como um cabelo na sopa, a esse enjoativo como mel com açúcar e marmelada, detestado como ave de mau agoiro, a esse bocejo humano, a esse impertinente, eu te digo como o hás-de afastar.

    Prepara este caldo: duas onças de estricnina, seis gramas de cicuta, uma pitada de arsénico e três colherinhas de sais de mercúrio, tudo muito bem misturadinho com azul de metileno. Eu bem sei que és muito educada e que o farmacêutico não há-de querer aviar-te a receita. Por ambas as razões, aquele impertinente voltará à carga com as suas baboseiras e mãozinhas.

    Podes pôr de lado por um instante as tuas boas maneiras e dar-lhe um grito imenso que o envie para aquela infinita e inultrapassável distância designada pela palavra merda.

    Mas, melhor ainda, sem perderes a estribeiras, podes usar uma receita – horrível – para o fazer desandar, um prato que vá fazendo estragos em língua e palato, e produza catástrofes no esófago e na barriga.

    Faz uma maionese com ovos nem podres nem muito frescos e com o azeite rançoso que usaste para fritar peixe. Muita, muitíssima maionese. Entretanto, põe ao lume um punhado abundante de talharins e deixa-os a ferver três vezes o tempo recomendado na caixa. Liquefaz o feijão que sobrou do almoço de quarta-feira, com pedacinhos de fígado e um pouco de mão-de-vaca. Retira do lume os talharins esbranquiçados e babosos, deita-lhes a maionese e o feijão e rala-lhes em cima um pouco do queijinho que sobrou do outro dia.

    Nega que tenhas fome e serve-lhe a mistela, bastante morna e quase a puxar para o frio. Não proves esta mezinha. Olha antes para a maneira como se vão nublando os olhos do impertinente. Há-de fazer elogios ao teu prato porque é bajulador. Até pedirá para repetir. Beberá dois copos de água morna (põe na mesa assim, temperada na cozinha). A certa altura, há-de perguntar onde é a casa-de-banho. Pouco depois há-de lembrar-se de uma coisa de que se esqueceu, de um assunto urgente, e sairá pela porta fora. Nunca te esquecerá, nem a ti nem ao teu prato. Mas não voltará. Ufa, não voltará, enxotaste-o para sempre.

    Se voltar, cianeto ou estricnina (imaginários).»



    (desculpa o tamanho do comentário)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui... quanta perfídia...:) a pessoa aqui contenta-se com um mísero alfinete e já com o bico rombo :)))

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Ainda se eu ao menos soubesse cozinhar... :)

      Eliminar
    2. :))))
      Não sabendo tens de te contentar com o blog que tens.

      Eliminar
  4. E, ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão.
    Muito bom :))))

    "mas se tu estiveres lá, nas palavras que deixas no blog, quem está do outro lado reconhecer-te-á sempre, independentemente da forma como empratas os teus posts" - Gostei e sublinho e faço mais um smile.

    ResponderEliminar
  5. Tão bom.
    (Segredo, aqui que ninguém nos ouve: o que eu mais gosto nos hamburgers é o pickle).
    :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que ninguém te oiça! Eu cá já tapei os ouvidos! :DDDDDDDDDD

      Eliminar