segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

E então, tudo a Natalar sem parar?

Eu cá... enfim... o costume...


Título: Crime de colarinho branco
Dim: 100 x 120cm
Acrílico s/ tela 


32 comentários:

  1. Tudo a Natalar e Palmy a esvaziar cofres, pfff... Já percebi que os sapatos amarelos não chegaram, foste procurar outros presentes!!!! (também recolheste os sapatos do desgracado aí deitado ou só levaste os ouros?)

    Adoro! :DDDDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto está tudo distraído com as festas, eu faço a limpeza à prataria! :DDDDDDDDDD

      Eliminar
  2. Ó pá!
    ( só me ocorre isto. És brilhante!)

    ResponderEliminar
  3. Ai...
    Não posso...
    está tão bom...cada vez que vejo um novo digo que é o meu preferido, mas vou deixar de dizer, porque cada vez que há um novo tenho de dizer a mesma coisa (mas este é o meu preferido), adoro a tensão, a expressão, os pormenores...parabéns mesmo, e faça lá a exposição que eu pago para ver! Beijinhos e bom Natal, Sara

    ResponderEliminar
  4. !.... mistério resolvido, já percebi por que diabos o tio pipoco nunca mais escreveu no seu blog... és cruel, Palmy... adorei!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahhahahahahahhahahahahahhaahahahahahahhahahahhahahahahahhahahahahah
      Olha! Teve de ser! :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Ahahahahahahahahahah Ahahahahahahahahahah Ahahahahahahahahahah

      Eliminar
    3. ahahahahahh
      Para mim o tio era cúmplice, ela só o despachou porque ele fez uma analogia entre o peso das pratas e a ingestão de rabanadas.

      Eliminar
    4. Be!!! ai que tu resolveste o mistério!! aquela cara da Palmy, fria, bufando ódio, aquilo só pode ter um motivo muito forte (e pessoal). a Palmy não gostou de ser chamada de gorda e vai daí, PUM!, matou o pobre.

      Eliminar
  5. Quadro verdadeiramente inspirado no espirito da época!! Só paz e amor..
    Gosto da expressão da coruja, entre o reprovador e o admirado.
    Eu, sem a mais pequena habilidade para as artes plásticas, fico a roer-me de inveja.

    ResponderEliminar
  6. Fartaste-te de esperar pelo natal para receber os sapatos e tiveste de os arranjar de outra forma :))))))

    ResponderEliminar
  7. Adoro as luvas verdes e máscara! :) E o ar compenetrado dela é impagável!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  8. Parabéns! Está fantástico!
    ANM

    ResponderEliminar
  9. Nem sei por onde comece...

    (eu nem sabia, mandaram-me cá vir)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Força nisso!

      (até já estou nervosa! :D)

      (mau... mas resuscitar não é só na Páscoa?!)

      Eliminar
  10. Parece uma daquelas cenas de filme em que o ladrão é tão elegante, que um porteiro de uniforme com dragonas lhe abre a porta com uma vénia e ajuda a transportar o saque até ao carro.
    Os sapatos do baleado dizem tudo.
    Está estupendo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahhahahhahahhahahhahahhahahahhaha
      Ladroagem mas em chique a valer! :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  11. Só mudaria a cor dos sapatos. Falta um apontamento forte na indumentária da senhora para condizer com a expressão inabalável dela. Uma pessoa com um personalidade dessas só pode ter um estilo muito próprio. A cor tem de ser mais intensa. O resto está perfeito.
    Só precisa de arrasar mais nas cores.
    Os quadros são todos tão intensos que a única coisa que os torna monótonos é os tons.
    Não me leve a mal. Compraria os seus quadros todos porque são hilariantes e únicos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda tentei fazer os sapatos azuis e encarnados (no post de cima vê-se) mas não consegui, não podia olhar para o quadro com aqueles sapatos coloridos - mas admito que seja problema meu, que detesto sapatos de saltos altos em geral e coloridos em particular :D

      Eliminar
  12. Parabéns, querida Palmier! Continua a surpreender a cada obra que partilha connosco. E sim, sou a favor de uma exposição 😉

    ResponderEliminar