quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Por um Portugal com cebola

27 comentários:

  1. e já estás a antecipar as tendências da próxima estação... é que nem as féchion ainda se atrevem a sandálias sem meias agora, és muito à frente Palmier!

    ResponderEliminar
  2. Conta comigo! (É impressão minha ou aquele foi o post mais ridículo de sempre?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é impressão. Foi mesmo, não tem concorrência possível que lhe tire essa proeza!

      Ana

      Eliminar
  3. Mas onde é que tu estás mulheri para estares de manga curta e sandália com este tempinho??
    Eu não fazia ideia de que havia tanta gente com panca anti-cebola. Que era esquisitinha já se sabe mas tanto...É pá eu não gosto da cebola só por si, mas não concebo a culinária sem cebola, principalmente a portuguesa. Como é que se faz um estrugido sem cebola?? Estava bem para o meu gajo estava estava.

    ResponderEliminar
  4. Então mas estes não eram os acessórios que fizeste em parceria com o senhor não sei das quantas?
    :DD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O famoso Agricultor Pickles! Tive de recuperar a imagem! É que, esta, é uma causa que merece todos os nossos esforços!

      Eliminar
  5. Não percebo como é que não se consegue cozinhar sem cebola, a sério, basta não por cebola, as easy as that.

    Adorei a fotografia:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim não é assim tão básico quanto isso. A maior parte dos pratos que eu faço inclusivé o arroz têm um estrugido de cebola, e para mim é o que dá o maior sabor ao prato. Mas eu gosto de comida tradicional portuguesa se calhar é por isso. Agora se for fazer sushis e coisas assim é provavel qua não faça diferença não ter cebola.

      Eliminar
  6. Ahahahahha, a mítica fotografia das cebolas! Foi das primeiras fotos que vi quando cá vim pela primeira vez. Escusado será dizer que nunca mais consegui deixar o blogue :)

    ResponderEliminar
  7. bem, só agora me apercebi que o título do post não é original. dei com o original e ia-me caindo o queixo. Será mesmo verdade aquela coisa do pregnancy brain? medo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso é mais: The curious case of pregancy brain before, during and after pregnancy...

      Enfim... Tanta coisa que se podia fazer com um blogue de tamanha audiência...

      (Sim, sim, sou uma invejosa ressabiada que não levanta o rabo da cadeira... E gorda, também sou gorda!)

      Eliminar
  8. Oh palmier, quem querias tu afastar com tanta cebola?? Olha que os vampiros é com alho... ;)

    Um faits divers:

    Muitas visitas = "crescimento sustentado do blogue" Really?? :D Será de propósito ou uma falta de noção do ridículo assustadora?? (Não sei porquê mas lembrei-me da entrevista no Q! :D )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não seja assim, NM! Devemos ter pena dos menos afortunados. Estou aqui a pensar como é que alguém se gaba de um número de visitas recorde no seu blogue se isso se ficou a dever a um post publicado noutro blogue... sobre cebolas.

      Eliminar
    2. Ahhhhhhhhh... Ahhhhhhh... Como?! Como?! Como é que eu não fiz essa associação?! :DDDDD

      Eliminar
    3. Enfim... Eu nem queria acreditar no que estava a ler :D

      Marta, eu tenho toda a complacência para com os menos afortunados de espírito, tenho mesmo... Pretensiosismos bacocos é que me fazem eriçar os pelos da nuca... Razão tem aqui a nossa querida palmier... Também eu vou tratar de arranjar uma echarpe de cebolas. Pode ser que sirva de repelente!

      Eliminar
  9. slogan proposto :


    se tem cabecinha oca
    e faz figuras de tola
    deixe-se da tapioca ( tem outras rimas...)
    e passe a comer cebola...

    ResponderEliminar
  10. Palmier, estou contigo! Não consigo imaginar a minha vida sem um bom refogado de cebola, um atum de cebolada, uma sopa de cebola gratinada, um bacalhau à Brás COM cebola, uma salada de tomate com cebola... Pronto, já estou cheia de fome outra vez

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que vale é que nesta mundo, de uma forma ou de outra, (quase) tudo se compensa. Parece-me que eu acabo por compensar (pelo menos em parte) a fobia que determinada senhora "féchion" tem a um produto tão característico da nossa gastronomia. Se a receita diz uma... bota três! :)

      Ana

      Eliminar
  11. Uma visionária! Muito antes do manifesto anti-cebola, já a nossa Palmier as defendia com unhas e dentes!
    Marta

    ResponderEliminar
  12. Eu estou contigo!
    Minha rica cebolinha crua com a salada de alface e de tomate, uma iguaria, é o que é!
    Não dizem que o que arde cura?
    Pois se faz chorar é por ser boa!
    Boua tás tu, assim de cebolada, fiu fiu! ;)

    ResponderEliminar
  13. Eu serei certamente uma ressabiada invejosa zero empreendedora e claramente sou gorda (prontinha pra' camara dd gas), não sei bem do que falam mas odeio cebola. Sou pessoa pra'me baixar o espirito da carolina patrocinio e estar meia hora a tirar todos pedacinhos de cebola de bacalhau com natas, por de lado, deitar fora para não ver e so depois comer. Doente!

    ResponderEliminar

  14. Por acaso sem ter vindo espionar,
    pelo vento cá vim parar.
    Mas pelo que deu p'ra espreitar,
    da cebola vou falar.

    Não vou pois comentar
    nem bitaites alvitrar,
    mas para quem interessar
    convém ler e meditar.

    Uma sandes de cebola ao acordar
    queca certa p'ró dia começar.
    Com cebola ao jantar,
    duas mais para melhor terminar.

    Queres viver feliz e contente
    à cebola leva o dente.
    Queres ultrapassar a matriz
    mete a língua e o nariz

    E para finalizar
    convém sempre recordar
    que sem cebola na mesa
    nunca contes com ela tesa.

    ResponderEliminar