terça-feira, 23 de julho de 2013

Pequeno-almoço à Pequim

Estava eu tomar o pequeno-almoço, a minha carcaça e o meu galão, quando, de repente, irrompe pelo café uma excursão de chineses que se espalham, como formigas, pelas mesas disponíveis. E eu, sem nada melhor para fazer, observava, entretida, aquela azáfama. Acontece que as mesas não eram suficientes e os chineses deviam ter muita fome pelo que, sem que nada o fizesse esperar e sem me dirigirem uma palavra ou um olhar, se sentaram na minha mesa. Mas não se sentou um, nem dois, nem três, sentaram-se cinco. Abanaram a mesa, entornaram-me o galão, mas não se importaram, instalaram-se bem instalados e deixaram-me encurralada num cantinho. Depois puseram-se a olhar com os seus olhinhos pequeninos para a minha carcaça, e eu dava dentadas na carcaça e os olhinhos olhavam para mim, e levava o copo à boca e eles seguiam o meu movimento, muitos olhinhos, dez olhinhos, dez olhinhos atentos, e diziam palavras tua tau xi hua e olhavam mais um bocadinho. Depois... bem, depois eu fiquei intimidada e engasguei-me; e os chineses tiraram máscaras das suas malas e puseram na cara.



12 comentários:

  1. O que eu adorava ter visto a cena :D

    ResponderEliminar
  2. Contaminaste aquela gente toda, se por acaso se houve sequer falar de uma epidemia de carcaças a culta vai ser toda tua.

    ResponderEliminar
  3. ah!ah!ah! Arrependeram-se logo de terem te ocupado a mesa :D

    ResponderEliminar
  4. A ver. Muito vago, impreciso; tudo muito subjectivo e manifestamente insuficiente para se tecerem grandes considerações, ou moderadas, pelo menos.
    Uma carcaça! Uma carcaça e um galão! Nem um croissant, nem uma bola de Berlim, nem ao menos mais uma para acompanhar aquela. Uma carcaça, apenas. E com quê? Manteiga, margarina, ou era tão pobrérrima que a barrou com banha? Pois, devia ser, claro. Daí a explicação para o mistério dos olhinhos incrédulos de cada vez que dava uma trinca nela.
    Depois e conjugado com o suspeitoso pequeno-almoço, o carro estacionado lá fora lavado pela última chuva, também não era de molde a induzir grandes probabilidades de segurança sanitária perante os senhores. Daí as máscaras.

    ResponderEliminar
  5. Ah ah Ah ah ah haveria de ter começado a tossir mais cedo, acabando por cair com estrondo em cima de um deles, era fuga na certa. com os gracinhas no ar e tudo. Se não for o suficiente aconselho enfeitá-los com uns bonitos laços e mostrar-lhes umas fotografias que traz sempre no IPad.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com os "gracinhas" no ar?! Talvez Freud possa explicar.
      (Ahahahahhahahahahhahahahahahahahahahahahhahahahahaahhahahahahahhahahahahahahaahahhahaha)

      Eliminar
    2. ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah eu não sei se Freud explica, a porra do tm dá nisto, é que não há um comentário que saia sem erros, caramba! Eu queria dizer bracinhos!
      É melhor deixar as gracinhas em paz antes que rebente por aqui uma bomba antónia.

      Eliminar
  6. Ahahahahahahahahahahah
    Impagável!
    O que eu gostava de ter assistido!
    Ahahahahahahahahahah

    ResponderEliminar
  7. A punch line das mascaras é assim maravilhosa

    ResponderEliminar