quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Mais estranho do que ver alguém a tentar afanosamente construir uma determinada imagem, é ver os outros a comprá-la

Mas acontece tantas vezes, ali debaixo dos nossos olhos, o jeitinho com que se vão polindo umas arestas, primeiro devagarinho, disfarçadamente, depois, quando não estamos a olhar, com uma polaina, à bruta, para retirar o que não interessa, como uma cobra que tem de deixar a sua pele, depois vai-se pondo um tijolo aqui, outro ali, uma janela com bonitas cortinas onde antes estava uma parede cega, enterrando o que não interessa, de forma dissimulada, com a ponta do pé, grão de areia seguido de grão de areia, até que determinadas coisas fiquem definitivamente longe da vista, depois dá-se um primário, uma demão de tinta, seguida de outra, retiram-se as fitas isoladoras e, de repente, do nada, surge-nos a mais bela borboleta jamais vista. E o construtor de imagem acredita piamente na personagem que criou, comove-se com a sua borboleta colorida, emociona-se com as suas novas qualidades, crê em si de tal forma que, qual número de ilusionismo, faz com que os que estão à sua volta acreditem que aquilo é real, apesar de todos os indícios nos dizerem o contrário, do sexto sentido acender a luz vermelha e do alarme disparar. Eu. Eu é sempre a imagem de marca do construtor de imagem, Eu sei. Eu sou. Eu faço. O construtor de imagem faz questão em falar sempre na primeira pessoa do singular e de embrulhar o “Eu” numa letra maiúscula. Depois é ver os crédulos a comprar, e o mais estranho é que compram, como numa loja no primeiro dia de saldos, e nós ali sentados no provador, a olhar em volta e a perguntar se seremos os únicos a ver aquilo, à espera do momento em que a máscara escorrega da cara como um papel de parede mal colado, como uma mala de viagem no regresso a casa, daquelas malas que só fecham quando alguém se senta em cima da tampa, daquelas repletas de roupa amarfanhada, uma mala tão cheia que, mal se carrega no fecho, explode violentamente, espalhando os fragmentos da personalidade inicial por todo o lado.



23 comentários:

  1. Acabaste de descrever aquilo que vejo na relação entre António Costa e uma quantidade incrivel de portugueses.

    Não que conheça outros politicos ou que seja a favor de outros, simplesmente tudo o que vem dele soa-me a falso.

    ResponderEliminar
  2. Este texto recorda-me o desgosto de uma grande amiga que comprou Ásia primeira casa numa das primeiras urbanizações do parque das Nações, logo a seguir à Expo. A casa era linda, luminosa é bem localizada. Bastou chegar o primeiro inverno para perceber que a casa dos seus sonhos não passava de uma obra concluída à pressa por empreiteiros gananciosos com bolsos abertos à espera dos euros de sonhadores incautos como a minha amiga. Infiltrações, materiais de má qualidade vendidos como se de luxo se tratassem. Foi um pesadelo. Travou lutas judiciais com o construtor que entretanto faliu e, se quis uma casa habitável, teve de gastar um dinheirão em obras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah... mas por mais obras que se façam... :)

      Eliminar
    2. Entretanto já não mora lá, a família cresceu e mesmo com obras a casa já não era adequada às suas necessidades.

      Eliminar
    3. Pipocante Irrelevante Delirante9 de setembro de 2015 às 17:22

      A minha história, noutra cidade.
      Construção de m###a, luvas, trambiquices várias, licenciamentos a lá carte, falência do pobre construtor (aka realissimo fdp), e o je a pagar obras...

      Eliminar
  3. Isto pode aplicar-se a tanta blogger, que me fica a dúvida a piscar ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que se aplica, sobretudo, a muita gente. Todos nós já nos cruzámos com alguém assim... :)

      Eliminar
  4. Um tijolo aqui, outro ali, um primário, uma segunda demão...
    Acho que a Palmier se encantou tanto com a grande obra perto de si que se tornou uma profissional da construção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDD
      A partir de agora, tudo tem de incluir uma metáfora da construção civil! :DDDDDDDDDDDD

      (e hoje estou tão contente! O senhor da obra disse-me que já lá tenho um capacete com o meu nome! <3)

      Eliminar
  5. Em todo o caso, se fala de quem penso; não há nada a recear.
    Não ganha ele...nem o outro tão-pouco!
    Sondagens absolutamente fidedignas garantem que ganha o povo...sentadinho a ver futebol na televisão.

    ResponderEliminar
  6. Também existe uma probabilidade de estarmos perante uma espécie de conversão de St.º Agostinho dos sec. XXI. Maniqueísta convicto encontrou na igreja católica as respostas que procurava e hoje é um santo "de referência".

    ResponderEliminar
  7. Nao há construção, por muito bem feita que esteja em que não apareça uma racha, só é preciso estar atento :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E são teimosas, o raio das rachas! Por mais que se tapem, elas voltam sempre a aparecer :)

      Eliminar
  8. Doce Palmier,
    Com tanto salamaleque e comoção com borboletas, só pode ser obra de consultora de imagem.
    "Pó de arroz / Rosa é, mulher o pôs / E o homem vai nas cenas / Eva e Adão outra vez / É como enfeitar um embrulho / Arroz com gorgulho talvez"
    Um beijo,
    Outro Ente.
    #Deixemosconstrutoresempazeostaxistastambém

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez, talvez :D

      #adoroaconstruçãonãoaconsigodeixarempaz! :D

      Eliminar
  9. Há muito tempo o Salgado fez um post que dizia mais ou menos o seguinte, já não me lembro exactamente das palavras:
    "mais cedo ou mais tarde, para o bem ou para o mal, todos nos revelamos e temos um gesto que de tão impactante nos definirá, aos olhos dos outros".
    Foi um dos seus melhores posts, muito acertado. É mesmo isso, por mais que se disfarce e se construa uma personagem, mais cedo ou mais tarde o verdadeiro interior vem acima. É aborrecido se calha que não é coisa bonita de se ver...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, agora que falaste nisso, também me lembro desse post :)

      Eliminar
  10. São os doravante designados por "refazedores de passados".

    ResponderEliminar
  11. E as migalhas vão-se espalhando............deixando o seu "rasto"

    ResponderEliminar
  12. Hummm???
    O que é que se passa aqui???
    Acabo de sair do coma de verão ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei lá... acho que estou em coma porque deixei o verão! :D

      Eliminar