quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Antes tarde que nunca

Eu bem sei que foi difícil ultrapassar aquela barreira esponjosa que me afastava dos livros de Saramago, mas a verdade é que "O ensaio sobre a Cegueira" é um dos melhores livros que já li. Arriscaria até a dizer que está no meu top 5. O tempo que me duraram aquelas páginas estive dividida entre lê-las todas de seguida e em poupá-las para me durarem mais um bocadinho. E fico aqui a perguntar-me como é que se consegue enviar uma mensagem tão bonita dobrada dentro de um envelope tão feio e sujo. Mas depois percebi que sim, que faz todo o sentido, afinal não basta ver, é preciso ir mais além, abrir o envelope, e reparar.

E agora que o acabei e me sinto órfã de livro, estou quase capaz de ir buscar a Cutxi, para me vir aqui consolar e ser o meu cão das lágrimas.



50 comentários:

  1. O Ensaio sobre a Cegueira também foi o livro que me apresentou, finalmente, Saramago. E partilho das mesmas sensações. Mas acrescento que cheguei a sentir náuseas, tal a intensidade da narrativa. O filme, já agora, também não desiludiu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (ok... confesso... fui a correr ver o filme. :) para ver se esticava o livro mais um bocadinho :))))

      Eliminar
  2. Lê outro Palmy :) É pela razão que descreves acima que eu não gostando do homem adoro os livros dele

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma que adora Saramago, o escritor, não simpatizando com o Saramago e ideais politocosocialocoisos. Alegro-me de conseguir separar as águas para poder apreciar tão boa escrita, conheço quem à conta de partilhar esta antipatia pela pessoa acabe por desperdiçar tao boas leituras. Boa Palmier (adorei a de teres ido a correr ver o filme para esticar a coisa, faço isso com imensos livros, espremo tudo o que houver para espremer: reviews, filmes, livros sobre o livro, etc).

      Eliminar
  3. Depois de vencermos a resistência a Saramago, perguntamo-nos como conseguimos? Comigo foi Lobo Antunes.

    ResponderEliminar
  4. É bom sim sra, mas leia "as intermitências da morte", um contexto totalmente diferente, mas aquele humor senhores!!! e a ironia??? Tão mas tão bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As intermitências da morte é um senhor livro e lê-se num instante. O ensaio li duma penada. Gostei mais do ensaio. E depois não gostei de mais nenhum dele. O levantados do chão, ainda tentei. está para lá...

      Eliminar
    2. Acho que vou passar às intermitências :)))

      Eliminar
    3. E eu acho que pela primeira vez vou reler um livro... Fiquei com vontade de o ler novamente, desde que o tinha indicado uma outra vez! :)

      Eliminar
    4. Eu tb adorei o ensaio sobre a cegueira, foi o meu primeiro livro do autor. Mas quem lê o melhor do melhor, depois todos os outros ficam um pouco aquém... O meu segundo livro também foi as intermitencias da morte, desiludiu-me um pouco. o livro é excelente , mas o ensaio sobre a cegueira é sem duvida: O LIVRO
      Minnie

      Eliminar
  5. :)
    Aconteceu-me exactamente o mesmo, há uns 18 anos. Foi com esse livro que comecei a gostar de Saramago. Depois li o "Memorial do Convento", que se tornou, esse sim, um dos livros da minha vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fiz o percurso inverso. Comecei pelo Memorial. Mas o Ensaio... :)))))

      Eliminar
    2. A Jangada de Pedra também é muito bom e o Todos os Nomes é maravilhoso (os diálogos da personagem com o seu tecto são inesquecíveis).

      Eliminar
    3. Quando me encontrares, por aqui mais uma acerrima fã da Jangada de Pedra (primeiro livro que li do autor) e de Todos os Nomes (conheces o nome que te deram terere...). Também do Memorial do Convento. Tambem morro pelo Memorial, acho que vai da pessoa em si, e choro ate enrugar as paginas quando a Blimunda percebe que é o Baltazar que está a morrer ali. Nao sei se é impressao minha mas noto que em quem gosta de Saramago ha normalmente dois grupos: os do Ensaio e Intermitencias e os destes três que referi. Sao todos bons, depois mediante a pessoa ha aqueles que sao mais especiais.

      Eliminar
  6. Pronto! Convenceu-me!
    Vou ler Saramago até ao fim pela primeira vez.

    ResponderEliminar
  7. :) entendo-te tão bem, Palmy.

    ResponderEliminar
  8. Ficaste órfã de livro, certo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, tem razão, faltava-me o acento. Peço desculpa :)

      Eliminar
  9. Já tinha lido uns três antes do Ensaio, mas gostei tanto deste livro quando o li, que desatei a ler obras do autor umas atrás das outras... conclusão, ainda não consegui passar do meio de Manual de Pintura e Caligrafia há um bom par de anos ( é muito ... muito...sei lá, chato?)... Saramago é para saborear, digerir bem e absorver melhor, não é fast-reading. :) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... percebo! Estou-me a sentir nessa fúria devoradora de Saramago :DDDDD

      Eliminar
  10. Devoradora de Saramago me confesso. No meu top estão o Memorial, o Evangelho, o Ensaio sobre a Cegueira e depois o sobre a Lucidez. As Intermitências lê-se bem. A Jangada de Pedra e o Todos os Nomes não me deixaram grandes memórias. O Homem Duplicado é assim assim. Confesso que o Ano da Morte de Ricardo Reis foi penoso, muito penoso. A Viagem do Elefante está a meio e em stand-by.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já tenho as intermitências e o ensaio sobre a lucidez em fila de espera :)

      Eliminar
    2. A viagem do elefante para mim foi uma decepção, mas em compensação o Caim está cheio da ironia tão característica dele.

      Eliminar
    3. Ahahah..estou sempre à espera de encontrar uma opiniao do Elefante, a ver se o meu segue caminho, mas parece que estamos todos encalhados com o animal.

      Eliminar
  11. Por acaso desse não gostei nadinha. Achei-o panfletário (felizmente menos que o Evangelho), grandiloquente, impante, e, falando em termos literários, pobre, com uma narrativa arrancada a ferros ou derivativa, sem rumo. Depois da Jangada de Pedra não lhe encontro nada de jeito, e a jangada já é muito pobre.
    Agora quando tive coragem de pegar em Lobo Antunes, u-au. Nunca mais se volta a achar Saramago genial. E Cardoso Pires, chiça, também o enfia num chinelo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É engraçado como os livros chegam a cada um de nós de forma tão diferente :)

      Eliminar
    2. Izzie,estou contigo, Lobo Antunes deixa-nos sem palavras.

      Eliminar
  12. Com quase 70 anos, continuo como dizes nessa barreira esponjosa, e agora que jå vejo mal, estou como a tia Lili, tenho que poupar os olhos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahhahahhahahhahahhahahahahahahahhahaahhahahahhahahhahahahahahhahaah

      (mas também não sei se ias gostar... olha, eu adorei!)

      Eliminar
    2. Decidir poupar os olhos perante um "Ensaio sobre a cegueira" parece-me mais que prudente! :DDDD

      Eliminar
    3. Nem de propósito NM, cega como estou, nem reparei nisso...

      Eliminar
    4. Ah! Depois de ouvir a mamã, volta tudo à primeira forma
      Definitivamente. Saramago é para esquecer.
      Comecei a Viagem do Elefante há mais de um ano e vou na página 75.
      Obrigado mamã, a minha salvadora.
      Deus a abençoe!

      Eliminar
    5. Corvo, vá lá...eu gosto muito do autor, li muita coisa (em modo nem vou dormir, é so mais uma pagina, mais uma, mais uma) e a viagem do elefante no meu caso acho que nem saí da fronteira tambem. Por isso vá lendo outros que se o Elefante só terminar a viagem depois ninguem se aborrece.

      Eliminar
    6. Corvo, faça como eu, poupe os olhos e deixemos que a Pilar del Rio se governe por outro lado.

      Eliminar
  13. Só vi o filme e deixou-me mesmo perplexa. Podemos ser mesmo selvagens.

    ResponderEliminar
  14. Sou aquela miúda que adora ler e devora livros desde pequena. Nunca tive problemas (bem pelo contrário) em ler tudo o que me deram até...ao Memorial do Convento. Ai que depois de uns Maias e de uma Mensagem vem aquilo, tão chato, tão enfadonho. Recusei e passei o secundário sem ler o Memorial. No entanto, cruzei-me, ainda no meu 12°ano, com o Ensaio sobre a Cegueira. E senti o mesmo que tu ao ler o livro, custou-me acabá-lo, porque acabá-lo seria sinal que chegava ao fim. Depois disso li ainda o Caim que, tal como o Ensaio sobre a Cegueira, não desiludiu e surpreendeu. Anos depois, ainda irei, talvez, dar outra oportunidade ao Memorial... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dê Por favor. Como grande fã do Memorial (bem como de outros do autor) fico sempre impressionada quando alguem acha aquele meu bocado de tanta coisa enfadonho :)

      Eliminar
  15. Passo aqui todos os dias (várias vezes por dia), e nunca comentei por não fazer parte desse vosso clube, mas hoje tive mesmo que comentar, porque adorei mesmooooo!! Sou fã de Saramago e já li vária obras dele, mas por acaso não essa da Cegueira (salve seja)!! Mas agora fiquei mesmo curiosa, e será a próxima obra dele sem dúvida. O brigada Palmier!! ( e nunca comento porque aqui estão sempre a corrigir, já vi que aqui são todos professores e eu não sou e o meu blog não é nada :/ ) bijinhos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como assim?! Toda a gente que cá vem faz parte do clube! :D

      (normalmente elimino esse tipo de comentários... sobretudo quando são dirigidos a outros comentadores...)

      Eliminar