quarta-feira, 29 de abril de 2015

A maratona de Lisboa

Eu sabia que tinha o que era preciso para conseguir. Treinei muito, treino todos os dias, estava a fazer boas médias e ainda na véspera tinha conseguido o incrível tempo de sete minutos em quinze quilómetros. Mas depois, bem, depois há os imprevistos. Nesse dia acordei tarde, tomei o pequeno-almoço esbaforida, em pé, junto à bancada da cozinha, optei por um café daqueles de cápsulas que são todos iguais apesar de terem imensos nomes diferentes, uma carcaça com manteiga e uma bananinha. Nunca dispenso a bananinha nestes dias. De seguida tomei banho, vesti-me e saí de casa com um dos meus incríveis casacos, aqueles que fazem virar cabeças de tão belos. Não era o ideal para a correria que me esperava, mas era o possível. Os meus filhos vinham logo atrás, também eles equipados para a efeméride. A prova começou como quase todas que fazemos, com más sensações, com a terrível sensação de que não íamos chegar a horas. 
Mal me sentei no carro despi o casaco e atirei-o para o banco de trás, dizendo para os meus filhos, “um presente” e eles desataram aos gritos de alegria “que casaco tão belo! Que casaco tão belo!”. Foi muito giro. Assim que a barreira da garagem se abriu avançámos inclementes através da intempérie, sempre a um ritmo constante e mais alto do que aquele que tinha estipulado. Era importante ganhar estes segundos agora, para prevenir eventuais demoras mais tarde. À medida que íamos avançando em slalon por entre os carros, comecei a sentir-me mais confiante, até que um sinal vermelho seguido de um outro me abrandou o ritmo. Fiquei preocupada. Teriam sido apenas os semáforos ou o carro estaria a ficar sem gasóleo? Teria por ventura carregado distraidamente no limitador de velocidade, aquele que aqui há tempos me fez fazer todo o percurso a 30 km/h, pensando que o LIM de limitador que me aparecia no mostrador era, afinal, o LIM de limpeza ao motor? Resolvi acelerar e quando tinha recuperado o tempo que deixei para trás, deparei-me com o muro, o muro de pins que cortavam o meu caminho habitual, optei de imediato por fazer um desvio, em corta-mato, por cima dos passeios, os transeuntes, enlouquecidos gritavam-me vivas histéricos dizendo “desaparece daqui!”, incentivando-me a fazer mais e melhor. Quando voltei ao percurso normal já sabia que ia conseguir. Apesar daqueles quilómetros finais terem sido feitos em esforço, pé no acelerador, tronco chegado à frente, junto ao volante, cabeça praticamente a tocar no pára-brisas, olhos postos na estrada, já só pensava na meta. E depois chegámos finalmente à escola, janelas abertas, hino nacional a ribombar nos altifalantes, e as mães e os pais a gritarem nas escadas “Força família Palmier! Vão conseguir!” intercalados de “campeões, campeões!”. E é isto. Foi mesmo emocionante e bonito.


Amanhã conto-vos outra vez a minha maratona da manhã. 

37 comentários:

  1. Espero que bandeira nacional estivesse na sua posição correcta!

    ResponderEliminar
  2. A bandeira está ao contrário, pah...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pfffffffff... sinceramente NM e Lulu... tanto esforço e vocês a fixarem-se nos detalhes...

      Eliminar
    2. Podes melhorar os tempos se dormires com o top que vais usar... Diz que há por aí uns muito giros. Quase nem se nota que são pijamas.

      Eliminar
    3. Olha que boa ideia! Até posso dormir com o meu casaco quentinho por cima do top e dispenso o edredon!

      Eliminar
    4. Olha... Para isso os teus casacos são bons... Para serem usados como uma espécie de mantra... Bem visto Palmy, bem visto...

      Eliminar
    5. Ahhahaahahhaahahhahaahhaahahahhahahahahahahahaha
      Uma espécie de mantra! :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  3. Ao menos deram as mãos ao atravessar o portão da escola?

    ResponderEliminar
  4. Palmier eu amo-a! Mesmo que conduza com a cabeça junto ao vidro do carro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDDDDDDDDDDDDDDDD
      O amor é assim, perdoa todos os defeitos! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
  5. Doce Palmier,
    E voltou a sentir-se forte? Fortíssima? Ou só normal? Neste caso, não esqueça que "a norte à uma pousada linda" para recuperar.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem.... isto de me sentir fortíssima é tão comum que já vai sendo normal... :DDDDDDDDDD

      (essa da pousada não sei... estarei out?)

      Eliminar
    2. O que explica a confusão entre o trapo e a taluda.
      (A da pousada é prolongada pelo namorado da Barbie.)

      Eliminar
    3. Ai fogo... namorado da Barbie...?! Estou mesmo out... :/

      Eliminar
    4. Ok! Já lá cheguei! :DDDDDDDDDDDDD
      A norte à coisas mui lindas! :DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  6. Por mais que treine para essa maratona há quase dois anos, nunca consigo reduzir o tempo. Sonho com esse dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comes uma bananinha ao pequeno almoço? hum... bem me parecia... :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante29 de abril de 2015 às 16:47

      Falta a app da Nike para controlar os tempos...

      Eliminar
    3. Sim... realmente, sem app e sem bananinha nunca mais lá chegas... :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    4. Obrigada pelos conselhos e motivação!

      Eliminar
  7. Pipocante Irrelevante Delirante29 de abril de 2015 às 16:26

    O importante é a superação.
    A Palmier é um farol de esperança e inspiração.
    Eu choro a ler estes testemunhos
    (o facto de me ter engasgado e ter deixado cair o café a escaldar em cima dos matchy-matchies pode ter ajudado)

    Qual a app que a Palmier usa para controlar os tempos intermédios?

    Ficam a faltar as fotos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei... a minha vida é uma inspiração para todos vós. Foi por isso que criei este blog. Para vos ajudar, :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  8. Palmier, quase que morri engasgada ao ler o teu testemunho! Que maravilha! Que testemunho de superação e força de vontade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Incrível, não é? Caramba... tenho imenso live style! :DDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  9. Fiquei a suar só de ler sobre esta maratona, imagino ao vivê-la, os litros que não se terão perdido. O importante é continuar a treinar todos os dias. E conhecer os seus limites...de velocidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É essa a ideia! Assim fazem exercício através do blog! :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  10. Eu cá farto-me de comer bananinhas e correr de bandeira na mão e nem assim consigo melhorar os meus tempos. Tenho cá para mim que tenho é de mandar uns casacos para a direita, outros para a esquerda à medido que vou correndo para distrair os adversários... Xiça, qu'isto de correr maratonas é do camandro.... :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atenção que têm de ser casacos como os meus! Os mais bonitos! :D

      Eliminar
  11. Palmier,
    Tinha feito um melhor tempo, se tivesse colocado umas asas nos pneus.
    Tente para a próxima, pode ser que voe. ;)
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahhahahahhahahhahahahhaahahaahhahahahahahhahahahhahahhahahahahahahahhahahahhahahhahahahahahaha

      Caramba! Como é que não me lembrei disso! :DDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  12. Tão emocionante, que uma pessoa até fica com os olhinhos brilhantes de água. De lágrimas? Não, da chuva, então!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como assim?! Não são lágrimas de emoção?! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
  13. Proponho já aqui a sua beatificação, só para começo de conversa!

    É que a maratona da Palmier sempre serve para alguma coisa.

    E não, não discordo da importância de se fazer o que se gosta, mas o tom messiânico do criaturinho lembra-me um sermão de pastor evangélico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahaha partilho da mesma opiniao.

      Eliminar