sábado, 4 de abril de 2015

E às vezes, cada vez mais, tenho esta sensação

Que as pessoas, todas as pessoas, são como o universo, cada uma o seu próprio universo, que se expandem para o mais longe possível do ponto de partida, até que, a certo ponto, se dá uma inversão (e agora não me interessam nada as teorias que dizem que o universo, afinal, está numa expansão acelerada) e começam a retrair, trazendo tudo o que aprenderam, até ao ponto de início.



8 comentários:

  1. Sim então aqui na blogosfera, está em contínua expansão...Pf seja tolerante e publique o meu comentário! Ah ah boa Páscoa Palmier, bjnhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tinha porque não publicar :)

      Boa Páscoa :)

      Eliminar
  2. Oh, Palmy. :) É isso mesmo.

    ResponderEliminar
  3. Apesar de não fazer a mínima ideia do contexto, tenho uma pessoas dessas em casa. Colocando as coisas em perspectiva, ensina-me e ainda me faz rir, embora possa ser triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é em nenhum contexto triste, estava a falar de mim própria :) durante a adolescência e início da idade adulta, nós queremos sempre mais longe (ou para mais longe) do nosso núcleo duro, e, a partir de determinada altura, percebemos que, afinal, o nosso lugar é ali, onde sempre foi. Que andámos a procurar longe aquilo que sempre esteve perto de nós :)

      Eliminar
  4. Acho que sim. E é desse ir e voltar (que às vezes é mais psicológico do que físico) que crescemos.

    ResponderEliminar