quinta-feira, 2 de abril de 2015

Fomos ao Continente

Escolhemos a caixa com menos gente, uma caixa onde só se podia pagar com cartão electrónico, estava cheia de sede e enquanto punha as compras no tapete rolante pedi à menina se podia abrir a garrafa de água antes de a pagar e a menina disse-me que sim, que ali, no Continente, não se deixava morrer ninguém à sede, e eu fiquei contente por saber que assim era, que podia ir em segurança ao Continente, que ali nunca ninguém há-de morrer à sede. Atrás de nós, para pagar, estava um homem pequeno, um metro e sessenta, fato de treino preto, com umas calças demasiado compridas e uns ténis brancos, daqueles com uma sola fininha, que fazem os pés parecer ainda mais pequenos do que são, um homem gorducho, com uma barriguinha, um cabelo assim pegajoso e uma argolinha na orelha. Na verdade não dei logo pelo homem atrás de mim. Só reparei nele quando atendeu o telefone. Ou melhor, só dei por ele quando começou a responder a quem com ele falava. Primeiro foram uns "eh pahhh" desgarrados, uns "eh pahhhs" que se foram intensificando e eu a mandar calar os meus filhos, que queria ouvir a conversa, e eles a perguntarem "o que é?, o que foi?" e eu a fazer-lhes olhares, e a dizer "schhhh!" e a fazer sinalefos com a cabeça, a apontar para o homem, e às tantas estava a fila toda a assistir, e o homem dizia lá para o outro lado "já te disse que estou aqui no hiper", "eh pahhhhh, eh pahhhh, eh pahhhh",  "já te disse que vim ao Contnénte", que ele dizia mesmo assim "Contnénte", e depois o homem olhava para o telefone, zangado, e fazia menção de o atirar para longe, e eu pensava que ela, do lado de lá, tinha desligado, mas não, ele voltava à conversa, "eh pahhhhh, eh pahhhhh, estás sempre desconfiada!" e então, num repente, atirou o telefone, que tinha carinhosamente acondicionado numa capinha tigresse, contra o tapete rolante, para junto do saco com limões e das acendalhas, mas atirou-o com cuidado, só para marcar posição, para nos mostrar a todos que era mesmo capaz de o fazer, infelizmente o telefone saltou da capinha e a tampa de trás abriu-se, e o homem, claramente arrependido, pegou no seu querido telefone e com olhos tristes e aflitos tratou de voltar a encaixar todas as peças, para de imediato voltar à conversa, que esteve suspensa durante o massacre do telemóvel, "eh pahhhh, eh pahhhh" "porrrrrrrrrra, porrrrrrrra", aquele porra que carrega nos erres, "só me telefonas para discutir". E eu ainda estive tentada a gritar lá para o outro lado que ela estivesse descansada, que ali no Continente ninguém queria o homem baixinho, com o fato de treino preto e pés pequenos, mas achei que era capaz de dar mau resultado, de piorar a situação lá para o lado dele.



45 comentários:

  1. Tu aguentaste-te sem rir disso? Eu nem me aguento sem me rir (alto) numa sapataria com sapatos foleiros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava tão atenta, para não perder nada do drama que ali se desenrolava, que nem tive tempo para rir! :DDDDDDDDD

      Eliminar
  2. Um pedaço de mau caminho omo o que descreves tem de ser bem controlado, não vá alguma lambisgóia roubá-lo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sério... tanta energia desperdiçada... :DDDDDDDDDD

      Eliminar
  3. Isto é uma espécie de análise sociológica?

    ResponderEliminar
  4. Ahahahahahahahahahahahahahahah, Palmier, daqueles assim tipo "gordurosos"????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era péssimo... fiquei a perguntar-me como raio podia suscitar tamanha ciumeira... :D

      Eliminar
    2. Então, se calhar também se não fosse ele a pegar nela... :)

      Eliminar
    3. Mesmo assim! A sério... :DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  5. O que me ri...
    Mas se calhar a senhora ao ouvir uma voz feminina, ia piorar ainda mais a situação do homem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era bem capaz, era! :DDDDDDDDD
      Ainda acabava junto com as acendalhas!

      Eliminar
  6. Ahahah! Não sei se gostei mais do relato da figurinha se da tua confissão " e eu a mandar calar os meus filhos, que queria ouvir a conversa, e eles a perguntarem "o que é?, o que foi?" e eu a fazer-lhes olhares, e a dizer "schhhh!" e a fazer sinalefos com a cabeça, a apontar para o homem"
    De mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São tão boas, estas conversas! Uma pessoa não pode perder estes achados! :DDDDDD

      Eliminar
  7. Estou a formular uma tese sobre os efeitos do Sul na vontade de começarmos a ouvir conversas dos outros e assim. Quando chegar à parte das conclusões aviso-te :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É como a questão da betoneira... é mais forte do que eu! :DDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  8. E que interessa esta banalidade ? fiquei cansada mas li tudo só pra ver se havia qualquer coisinha. A publicidade ao continente fica-lhe a matar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento imenso tê-la entediado.

      Se quiser também posso fazer publicidade a outros: Jumbo, Jumbo, Jumbo. Pingo Doce, Pingo Doce, Pingo Doce. Lidl, Lidl, Lidl.

      Melhor assim?

      Eliminar
    2. Ó amigo(a), será a única pessoa que ainda não reparou que a Palmier não precisa (abomina) de publicidade para nada?

      Eliminar
    3. Não é a Palmier, é o Continente, amigo(a) !

      Eliminar
  9. Mas afinal o homem tem um blog ou não?
    Isso é que é verdadeiramente importante, caramba....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para a próxima pergunto-lhe! :DDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Pfffff não se pode contar contigo para nada, é o que é.

      Eliminar
  10. Olha a sorte do baixinho ter os eh pahhs dele num post tão bom. Sempre é capaz de compensar o azar de não ter sido dotado pela mãe natureza, sei lá...

    Boa Páscoa, Palmier. :-)

    ResponderEliminar
  11. Bolas, faltou uma informação fundamental : qual o toque que o senhor tinha no telefone... Também me espantou a falta do tinto, mas se calhar o hiper estava com alguma ruptura de stock.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDDDDDDDDDD
      Não sei... só dei conta já ele estava em amena cavaqueira... se calhar era a voz "dela" a perguntar "Onde estás? O que estás a fazer?"

      Eliminar
  12. O seu post lembrou-me o da Ana de Amesterdam, adoro ambas :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Tenho estado fora mas, já tinha saudade destes relatos!!! Uma delícia!! (quanto á parceira, há mulheres muuuuuito chatas)!!

    ResponderEliminar
  14. C,

    Peço desculpa mas não vou publicar o comentário, porque nem o Continente é o Continente a que se refere (este era mesmo o do Belmiro, onde se fazem compras, era mesmo real, nada disto é ficcionado), nem o filme que fez, que muito apreciei, por ser deveras imaginativo, tem qualquer coisa que ver com a realidade. Ainda assim, saiba que é sempre muito bem vinda e que, não sendo a pessoa do talho, tenho todo o gosto em dar dois dedos de conversa.

    ResponderEliminar
  15. Na volta, seria a mãezinha, lol.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahhahahahahahahhahhahahhahahahahahahahahhahahahahhahaahhahahahahahahhahahahahahhahahahahahahhaha
      Não coloquei essa hipótese, mas, vai na volta... :DDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  16. Não temos todos que ser Deuses gregos...Ainda bem que aquele homem têm alguém que sente ciúmes dele. É sinal que mesmo não tendo as medidas standard, há alguém que o ama.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fosse eu um Deus grego, ou não, dispensaria em absoluto uma cena de ciúmes desta magnitude...

      Eliminar