sábado, 2 de janeiro de 2016

Claro que depois acontecem estas coisas que me impedem de progredir na blogosfera

O meu consorte, que abalou para os Algarves na Quarta-feira à noite, para uma estadia de dois dias e meio, reparem bem: dois dias e meio (não foi uma semana, quinze dias, um mês. Não, foram dois dias e meio), para se nos juntar para a efeméride anual do jantar de passagem do ano, desta feita com uma incrível lasanha (aposto que estão cheios de inveja!), entendeu por bem e contra todas as indicações de todos os técnicos de caldeiras existentes à face deste planeta, todos!, que nos dizem sempre que a caldeira gasta dez vezes mais gás a fazer subir a temperatura dois, três, quatro ou dez graus, do que a mantê-la constante, mas como ia dizendo, o meu consorte, resolveu, contra todas as regras, já disse "todas"? desligar o aquecimento aqui de casa para, segundo as suas palavras, "deixar a caldeira descansar", coitadinha da caldeira. E agora, em vez de poder dedicar o meu tempo a aprender mais, a escrever incríveis textos ou a ser poética, escrevo-vos em hipotermia, daqui de dentro do meu cachecol, que por sua vez está aconchegado num casaco polar, que está dentro de uma mantinha, seguida de uma segunda mantinha, tudo isto no interior de um iglu. Claro que assim enchouriçada não posso aspirar a um futuro em condições! 


19 comentários:

  1. Diz ao consorte que há caldeiras programáveis, para que se liguem/ desliguem/liguem novamente a determinada hora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estive a dançar Just Dance com a minha filha na Wii, a ver se aquecia! :DDDDDDDDDDDDD

      (pá... vale retro! não vamos comprar uma caldeira nova! Esta tem para aí um ano, que a outra não conseguia fazer a exaustão, estava sempre a desligar-se por causa do dióxido de carbono...)

      Eliminar
  2. não te queria fazer muita inveja mas estou a escrever-te e frente a uma lareira acesa :p

    ResponderEliminar
  3. O que mais gostei no meio deste texto todo foi do "abalou". Em Lisboa pouca gente sabe o que significa esse verbo (pelo menos as pessoas que conheço...) :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Má'quejê'tos, nã saberem o q'é abalar?! :DDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. ou melhor: ir de abalada! :DDDDDDDDDD

      Eliminar
    3. Mesmo!! Gente pouco informada é o que é :D

      Eliminar
  4. Há caldeiras co(n)m sote... até têm quem lhes providencie um período de descanso. Já o mesmo não se pode dizer dos beneficiários de tão produtivo descanso, que devem ter os dentes gastos de tocar castanholas.... mas olhe que dançar Just Dance é de valor e não é para qualquer palmier.
    Bom período de aquecimento !!! :)

    ResponderEliminar
  5. Pois assim torna-se impossível..haja paciência, imagina se escrevesses à mão?? ficava tudo tremido :)) quanto ao teu consorte,os homens têm cá uma maneira de "mexer" no que não sabem!! :) eu cá pedia já o divorcio.. já já.. lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que nem se ia perceber nada! Uma afronta à minha pessoa! :D

      Eliminar
  6. Penso que o seu consorte deveria inserir a cabeça na betoneira nova, por forma a ser iluminado 😊.

    As melhoras da caldeira e do frio, que talvez faça Canis exercitar-se, lol.

    ResponderEliminar
  7. e desligar na tomada e voltar a ligar? às vezes funciona, nã que entenda muito de caldeiras... aqui estão menos dez, mas está sol! :) bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela funciona, só que demora imenso tempo a voltar a repor a temperatura :)

      Eliminar
  8. A primeira vez que vim a Portugal no inverno, diz o marido para desligar o aquecimento, que se gastava muito dinheiro e blablabla. Está bem, disse eu. Mandei-o para o carro que eu verificar a casa, voltei a ligar os aquecedores todos e passei-os do 4,5 para o 3,5.
    Nesse ano fez especialmente frio, vinha o homem todo chateado que a casa ia estar gelada (2 semanas), quando entrou em casa e esta estava suficiente quente para em meia hora chegar aos 20o nunca mais se queixou para desligar o aquecimento.

    ResponderEliminar