terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Mas também podemos falar sobre Educação...

Por exemplo, os Ministros da Educação que se vão sucedendo e inventando cada um o seu método de avaliação (ou de não avaliação) extremamente inovador, moderno e inédito, numa espécie de concurso de excentricidades, poderiam ser representados, por exemplo, aqui pelo Johnny:


Estes podiam ser os representantes dos inúmeros sindicatos, sempre contra qualquer coisa, não se sabe bem o quê:


Já estes, podiam ser os professores no início de cada ano lectivo, a tentar perceber o que raio lhes saiu na rifa:



e, claro, os alunos serão os passageiros...


e estes somos nós, os pais, a correr atrás da matéria...




41 comentários:

  1. :D
    Mas estava à espera no fim das cenas de suicídio (falo do filme aeroplano :))
    Dado o estado da educação, é por isto que optei pelo privado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDDDDDDDD

      (lá vamos sobrevivendo ao experimentalismo. Mesmo no ensino privado, que também tem de seguir as directivas do ME...)

      Eliminar
    2. Decerto, decerto, mas existe uma série de factores que são diferentes (professores motivados, bullying, condições/material escolar, colegas dum meio previsivelmente mais calmo e com "pressão" para estudarem), não quer dizer que não aconteça o inverso mas, sabemos onde existe a maior probabilidade de sucesso.
      Ah e eu andei sempre na escola pública, mas eram outros tempos, mas mesmo assim já não muito famosos.

      Eliminar
    3. Nada contra, mas deixou aqui o outro lado da moeda!
      De quem passou imensos anos (9 anos) no privado e outros tantos no publico (3 anos) numa das "melhores escolhas do pais" só tenho a dizer que:

      1 Professores Motivados? Mito... dos grandes!

      2 Bullying? No privado é ainda pior, porque para alem de se apanhar os espíritos santos, os filhos dos apresentadores, filhos de ministros e tudo mais, se tu pagas bem, não és expulso! Mesmo que sejas obeso e batas forte e feio numa rapariga magra e deixes marcas durante 3 semanas. Já para não falar de Bullying psicologico. Posso dizer que foram os piores anos da minha vida!! Felizmente não sou daquelas pessoas frágeis. Senão nem sei... A razão? Hum... não tratava os meus pais por você, e era boazinha, respeitadora e cumpridora.

      3- Mais calmo? % de alunos com a vida programada por parte dos pais é imensa, logo há uma vontade imensa de "escapar" e enveredar por caminhos menos próprios! Vi historias inacreditáveis.

      4 - Pressão para estudarem? Completamente verdade! Tão verdade que os colégios trabalham para o ranking duma maneira que se o aluno não tem x media é convidado a sair. E ninguém espera para o ajudar. é sempre a querer ter mais média, subir no ranking, e o ensino? qualidade 0! Não saem de lá estudantes saem de lá esponjas com nenhuma capacidade de se questionarem sobre as coisas e aprenderam de facto algo!

      O privado é o maior mito que anda para ai. Vi professores sem a mínima competência para ensinar (ah a continua é francesa? Ora vamos po-la a dar francês aos alunos do 5 ano!) , vi uma pressão desmesurada para atingir certo nível a uma idade em que não é aceitável. Vi manipulação da personalidade das pessoas. Isto nas melhores escolas do pais, nos grandes colégios de Lisboa. A publica é uma desgraça mas ao menos há controlo. E não acho que seja menos exigente. A minha secundária era tudo menos facilitismo. Sai com uma média vulgar mas cruzei-me com professores espectaculares, outros nem tanto. Pessoas que se preocupavam genuinamente com o bem estar dos alunos. Já na privada... se a nota for boa, se pagarem... que se lixe o bem estar.

      Actualmente, o meu grupo de amigos é quase todo de Lisboa de famílias de classe média e a maioria de nós andou em privadas nos são josé, maristas, salesianos, mira rio entre tantas outras... e depois mudou alegremente para as publicas. E tudo diz maravilhas da mudança para as publicas.
      Se as pessoas realmente fossem ver o que se passa na maioria dos colégios e a pressão dos miúdos nunca lá tinha posto os filhos. Isto em Lisboa, claro!

      Eliminar
    4. Se calhar devia ter dito que a minha escolha foi uma "escola privada e não católica..."

      (também andei sempre em escolas privadas e não passei por nada disso... presumo que também seja uma questão de escolha...)

      Eliminar
    5. Pronto, já cá faltava o do privado é que é bom. Já disseram tudo acima, nada mais a dizer.

      Eliminar
    6. "O privado é o maior mito que anda para ai."... é totalmente mentira. Eu licenciada, com 32 anos de idade, andei sempre em escolas públicas e era totalmente contra os privados (conhecia mal, reconheço agora). A minha irmã, mais nova que eu 12 anos, andou no público até ao 9º ano, era muitas vezes eu que ia às reuniões, depois do que vi no público (e aquela até ainda é uma das boas escolas, é numa aldeia, nem é muito agressiva e os professores eram os mesmos do meu tempo) aconselhei a minha mãe a passá-la para um bom privado, repito, bom.
      Nada a ver, nem de longe nem de perto. Os professores eram motivados, sim. Não havia bullying, nem distinção entre ricos e pobres, nós nunca fomos ricos (os meus pais sacrificaram-se muito para a terem lá) e ela integrou-se com todos, e foi integrada por todos.
      Quanto ao mais calmo e pressão para estudarem isso terá mais a ver com os próprios pais e alunos, porque isso eu tanto vejo num sítio, como noutro.
      Mas não foi um colégio igual ou pior que o público, que também os há, foi um dos bons, por isso, não pode generalizar. E se fosse hoje e eu pudesse, teria ido para lá.

      Eliminar
    7. Dani Queirós, eu não disse que a escola privada é melhor. Eu disse que é a minha escolha. Julgo que ainda nos é permitido escolher a escola onde queremos ter os nossos filhos, ou não?

      (cansada de fundamentalismos...)

      Eliminar
    8. @Dani Queiros também já cá faltava no público é que é bom!

      @Ella obrigado pela longa explicação, mas cada um vê a sua realidade,

      1 - é o que vejo

      2 - eu estou do outro lado do rio e com a criança em não católico também como a Palmier. há aqueles meninos betos que podem ser um pouco mais protegidos, mas até vi isso no público enquanto aluno, por isso relativizo. Claro que violência à em todo o lado mas o que se tem visto no público é por demais e não acredito que se consiga omitir tudo o que se passe no privado.

      3 - Falo por mim, a única programação é que ela se aplique e seja boa aluna, o melhor possível, só isso.

      4 - não acredito muito nessa teoria mas vou ouvindo de quando em vez.

      @anonimo 12 de janeiro de 2016 às 18:11 - resumiu o meu sentimento

      @Palmier Encoberto - não vale a pena.

      Eliminar
    9. (Dani Silva, não conte com a publicação desse tipo de comentário...)

      Eliminar
    10. Ella, a minha filha anda no privado e na sua turma há filhos de auxiliares de educação que trabalham na escola (sem qualquer desprimor, naturalmente). Ainda não conheci nenhum Espírito Santo. Há uns tempos poderia haver uma distinção enorme entre quem frequentava o privado e o público. Hoje em dias há mais heterogeneidade. E menos narizes empinados.

      Relativamente ao assunto do post...estou incrédula. É simplesmente vergonhoso este experimentalismo. As cobaias não deviam passar por tanto.

      Eliminar
    11. (quando conheceres um Espírito, cautela com a carteira! :DDDDDDDDDDDDDDDD)

      Eliminar
  2. Ora bem, sobre métodos de avaliação...
    Não sei se é mito urbano, como aqueles episódios da cobra venenosa escondida nas caixas de bananas do hipermercado, da senhora que foi à loja de chineses e veio da lá sem rim, sempre ouvi aquela história do barbeiro que, depois de faltar à luz, enfiava os bicos da tesoura na tomada para saber se a corrente eléctrica já tinha voltado. Pois, também era um método...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não dês ideias... sabes bem que este governo é muito permeável... :DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  3. LOOOL oh pá, melhor análise de sempre :D

    Jiji

    ResponderEliminar
  4. Fabulosa demonstração da miséria que nos governa
    ahahahaha

    ResponderEliminar
  5. Sim, é basicamente isto!

    No entanto, não creio que tenha adreçado o aspecto fundamental da coisa e que confunde muitos pais:

    O ministério tem o nome errado! Devia chamar-se ministério do ensino e não da educação! A escola deve ensinar, mas a educação deve vir de casa. Quando os pais acham que a educação deve ser dada pela escola, os resultados costumam ser maus...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui... de certeza que há um qualquer sindicato contra essa alteração! :)

      Eliminar
    2. E eu que acho que os professores devem ser tão responsáveis por educar como por ensinar... não me parece normal que alguém que passe 8h/dia com uma criança ache que os seus exemplos de nada valem ou não tenham impacto nenhum...

      Conhecendo professores de ensino primário que atendem telemóvel em horário de aulas acho que primeiro de tudo os professores deveriam ter educação. Muito antes de lhes ser dado acesso ao ensino, deveria ser explicado aos professores, principalmente aos da velha guarda que o respeito deve ser mutuo. E a formação continua para que aprendam que debitar matéria não é ser bom professor e que ser um bom professor é muito mais formar o indivíduo do que ensinar-lhe o programa...

      Mas claro que uns trabalham por amor aos miúdos, outros por amor ao dinheiro (e como o dinheiro não abunda, o que não falta é incompetência na sala de aula).

      Uma má pessoa, incapaz de reconhecer o valor de uma criança e de a respeitar nunca será bom professor. Nunca.

      Eliminar
  6. Pipocante Irrelevante Delirante12 de janeiro de 2016 às 12:00

    Grande filme... Grande filme... Enorme filme...

    A questão do ministério é que cada quer deixar a sua marca. E às vezes o melhor e ficar quietinho e apreciar a paisagem, como quando o pessoal vai às grutas e é instruído a não por os dedos nos lençóis de água.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tudo tão absurdo que a pessoa até se questiona se haverá algum vírus estranho a circular no ar-condicionado da 5 de Outubro...

      Eliminar
  7. Faltam os desiludidos...A minha filha está no 9º ano e como tal vai ter exames. Quando começou a ver todas estas alterações ficou cheia de esperança que também iriam acabar os exames do 9º ano. Mas afinal não... não se faz, a minha filha sentiu-se injustiçada!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Epá... ela que acuse o Ministério de discriminação! Então agora o que está a dar é não avaliar nada nem ninguém e fazem uma coisa dessas ao nono ano?! É incrível! :D

      Eliminar
  8. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH....o melhor filme-parvo de sempre ...Aeroplano! e que bem que ilustra o estado da (des)educação deste país :D ( e a bem da verdade...o estado geral do mesmo!)

    ResponderEliminar
  9. Melhor que tudo... fizeste-me recordar um dos meus filmes de eleição... Obrigado :-)
    O Seinfeld também não lhe fica atrás :-)

    ResponderEliminar
  10. O aeroplano é lindo.
    Qt à educação...pois...eu defendo àmto tempo q deveria ser politica p ser analisada com mto mais cuidado e n estar à mercê de alterações a cada 4 anos...mas ninguém me liga :p

    ResponderEliminar
  11. "Privado, uma marca em que as mães confiam", "Público, uma marca que mete um bocado de nojo". ahahah

    ResponderEliminar
  12. Para rir é bom sim, tanto esse filme que adoro, como o estado em que vai a educação.
    Li aqui algumas coisas sobre o ensino no privado, não concordo que os miúdos que lá andam sejam melhores em comportamento, também existe bullying, aprendem se tiverem que aprender, conheço alguns que lá andaram num "redoma" e depois cá fora no mercado de trabalho até da própria sombra têm medo. Não concordo com os públicos, mas cada um sabe de si.

    ResponderEliminar
  13. Tempos diferentes estes e modernos(?), agora são os pais que correm atrás da matéria quando deviam ser os filhos ( e eu que o diga! ). ;)

    ResponderEliminar
  14. Excelente! Nós nas escolas parecemos baratas tontas. Não sabemos para onde nos virar.
    Ainda por cima estas mudanças surgiram no decorrer do ano letivo, com programas já estruturados, contemplando os exames. E agora voltamos à estaca zero, e aqui estamos nós a reorganizar os programas. E todas estas mudanças só porque sim! Sem uma única fundamentação.
    Quando vi o ministro Tiago, pensei olha que jeitoso! Vai-nos dar algumas alegrias!
    Enganei-me! e lá se foi o seu sex appeal

    ResponderEliminar