sexta-feira, 17 de março de 2017

Fim da tarde

À sexta-feira costumo sair um bocadinho mais cedo para, antes de apanhar os miúdos, ir ao supermercado comprar coisas boas, waffers de baunilha e assim, e apesar de, desde a fatídica sexta-feira do acidente, esta ideia de sair mais cedo, de parar no mesmo cruzamento e de ir ao supermercado comprar coisas boas, não me proporcionar a mesma alegria que proporcionava, tenho insistido, se bem que, quando vêm carros atrás, não consigo parar ali para virar e vou dar uma volta gigantesca, mas, dizia eu, hoje consegui virar, que não vinha lá ninguém, virei muito depressa e com o coração a bater com muita força naquela reentrância entre as clavículas, e lá fui ao supermercado fazer as minhas compras, mas depois distraí-me logo na garagem com aquele casal que saiu com alguma dificuldade dum Ferrari cinzento todo racing, ela nos quarenta e muitos, loira, alta, magríssima, batom encarnado, saltos altíssimos, calças justíssimas, praticamente a cortar a circulação, camisa branca aberta até ao quarto botão com o sutiã todo maroto a dizer olá ao mundo, ele bem entrado nos setenta, as costas curvadas, a empurrar o carrinho das compras atrás dela, naquele passo parecido com o das crianças atrás das mães, que vai variando entre uma corridinha e uns passos rápidos, a dar o tudo por tudo para a conseguir acompanhar, ela desembaraçadíssima, a escolher os alimentos mais fit e saudáveis, a pô-los no carrinho, ele a tentar tirar um pacote de bolachas de chocolate à socapa, com os olhinhos a brilhar, ela a arrancar-lhe o pacote de bolachas das mãos com ferocidade e a voltar a pô-lo na prateleira, a dizer-lhe altíssimo enquanto revirava os olhos "Oh Manel, vá ver-se ao espelho, não vê que está gordíssimo", ela a ir por ali fora com a sua carteira caríssima a tiracolo, sem vacilar em cima daqueles saltos, a dar-lhe um grito irado lá do fundo do corredor, apontando para o carrinho "Oh Manel, empurre!,  mexa-se!, está aí a criar raízes, é?", ele a dizer que podiam levar um peixinho para o jantar e ela a dizer-lhe que levasse, que ela de qualquer forma ia jantar fora, e depois tive de me ir embora, que já parecia mal estar ali especada, não sem antes pensar que isto de ser casado com uma mulher-troféu, a partir de determinada altura, pode ser mesmo uma profissão de alto risco.

28 comentários:

  1. Respostas
    1. Será? Fiquei com a clara sensação que já terá tido a sua compensação e que agora já só lhe resta a parte do suplício... :D

      Eliminar
    2. Tal e qual. Cá para mim a compensação foi chão que já deu uvas.

      Eliminar
  2. Mulher troféu? Estás a ver a coisa ao contrário. Trata-se de um velho troféu que a louraça exibe perante as amigas. "Vejam só, o Manel é fantástico, tem carros estupendos, está cheio de dinheiro a que não sabe o que fazer, mas eu sei, e já está naquela idade em que uma festinha na perna é contacto íntimo mais que suficiente, a partir das seis da tarde quer é calçar as pantufas, sopas e descanso."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahhahahahhahahhahahahahahahhahahhahahhahhahahhahahhahhahahhahahhah
      Mi, tive tanta pena dele, coitadinho, quase lhe comprei as bolachas de chocolate!

      Eliminar
    2. (é que eu acho que ele queria gastar toda a sua fortuna em Chips Ahoy e ela não o deixou comprar um único pacote! :DDDDDDDDDDDDDD)

      Eliminar
    3. Eu enfiava-lhe uns waffers de baunilha no bolso à socapa.

      Eliminar
    4. Estive mesmo quase a dar-lhe um goodie-bag,uma espécie de Banco-Alimentar para ricos :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
  3. mas... mas... vocês não têm vergonha?! mulheres tão cultas, estudadas e emancipadas, tão cheias de preconceitos e estereótipos nessas moleirinhas!????? Como diria um amigo meu, "não sei como é que eu me dou convosco!"

    :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahhahahahhahahahhahahahahhahahahhahahhahahahahhahahhahahhahahahaahahahahahahahahahaha
      Vá, confessa, já não consegues viver sem os nossos preconceitos bafientos! :DDDDDDDDDD

      (Por acaso hesitei em publicar o post, fiquei a achar que isto era uma observação mesmo estereotipada, mas, caramba, era tão flagrante! :DDDDDDDDDDDD)

      Eliminar
    2. (o meu amigo diz isto naquelas circunstâncias em que, por exemplo, se apercebe que naquele dia eu não tomei banho... )

      Eliminar
    3. Ahahahhahahhahahhahahhahahhahahahhahhahahahahahahahhahahhahahhahahhaahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahaha

      Tu não me tentes, que eu estou quase, quase a retratar-me na banheira! :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    4. :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      (isto do amigo é mesmo verdade, o que agente se ri!)

      Eliminar
    5. :DDDDDD
      Uma mulher que trata assim o marido, independentemente da idade, é uma caça troféus, Kina. É a atitude, não é a idade.

      (Já tive a minha dose de para-escatologia, não quero falar mais de falta de banho :DDDDD.)

      Eliminar
    6. (Haverá algo mais embaraçoso - para todos os envolvidos - que uma pessoa fazer um reparo sobre a evidente falta de banho da outra?)

      Eliminar
    7. Olha que, para quem não queria falar mais de banhos, vais bem lançada! :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    8. Foi um parênteses dentro do parênteses. :DDDDDDD

      Eliminar
    9. (só para esclarecer que o verbo "aperceber" que ali foi empregue não tem a ver com "evidente falta de banho" mas com evidências outras resultantes da coabitação - esse meu amigo reside em outra cidade e por vezes vem passar uns dias em minha casa, e vice-versa -)

      Mirone, posso ser badalhoca mas sou lavadinha, ok? Mas já percebi que por ti não me livro de vir a ser recordada como A Mal Cheirosa. Humpf.

      Eliminar
    10. (:DDDDDDDDD sobre esse assunto estou em blackout. Não seja assim, vou recordar-te sempre com aquele tem tem um gosto musical mesmo mesmo mesmo bom)

      Eliminar
  4. Até eu fiquei com vontade de dar bolachinhas ao sr. Quanto desdém. Da próxima ponha as bolachas no bolso do senhor, mas com cuidado não vá a loira ver e sentir-se ameaçada!

    ResponderEliminar
  5. Que linda história! Faz-me lembrar aquela velha rábula que incluía a pergunta "casou por amor ou por interesse?", que tinha como resposta "hum... deve ter sido por amor, porque eu não tinha interesse nenhum nele". Até soltei uma lagrimita, diga-se. Não se encontra disto num Lidl rural, só lhe digo. A pena que eu tenho de não morar num condomínio de luxo! =P

    ResponderEliminar
  6. Estou cheia de pena do senhor...

    ResponderEliminar
  7. Algures existe uma mulher de 70 que ele trocou por esta senhora fantástica e que se tivesse visto a cena teria sorrido...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De certeza! E ele era bem capaz de ficar a pensar que só perdeu com a troca!

      Eliminar
  8. Que horror... ele porque aceita e ela porque se permite destratar um velhinho...

    ResponderEliminar