sexta-feira, 21 de abril de 2017

Há quatro ou cinco anos atrás tivemos esta linda conversa...

- Nem pensar.
- Então quando?
- Não sei, logo se vê...
- Mãe, tens de dizer quando.

(a tentar encerrar o assunto)

- Sei lá, quando fizeres dez anos...


(ontem fui relembrada pela minha filha que faltam quarenta e cinco dias para poder furar as orelhas)


79 comentários:

  1. Respostas
    1. Já descrevi os maiores horrores! Está irredutível! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Eu sei bem o que é ter uma miúda a chagar-nos. Cedi à pressão da Mironinho este ano. Não adiantou pintar-lhe o pior dos cenários, dizer-lhe que é proibido furar a crianças pequenas, dizer-lhe que só furei as minhas aos 12, se as amigas lhe diziam que não foi nada é que não existe essa proibição onde elas furaram as suas.

      Eliminar
    3. (Se adiares muito vai fazê-lo à tua revelia, tens noção? Foi assim que eu fiz, mal tive licença para sair do colégio à hora de almoço).

      Eliminar
    4. Fogo... resististe pouquíssimo!

      (mas porquê?! Porque raio se quer uns buracos nas orelhas?! É super primitivo!)

      Eliminar
    5. Pouquíssimo?! Todos os dias, várias vezes ao dia durante seis meses a fio (desde o final do ano letivo, pois a maioria das amigas furou como presente de passagem de ano)? Foi das poucas coisas que pediu ao pai Natal, ela queria mesmo muito, muito, muito furar as orelhas.
      Fiquei tão triste no dia em que cedi, durante imenso tempo até me custava olhar para ela. Por muito discretos que os brincos sejam (escolhi os mais discretos que havia), elas perdem logo o ar de bebezinhas para parecerem adolescentes. Custou-me mesmo. Mas já tive a idade dela...

      Eliminar
    6. Pipocante Irrelevante Delirante21 de abril de 2017 às 19:26

      Sois fracas.
      Period.

      Eliminar
  2. Deixa-a, antes que a obsessão desça pelo nariz!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos Piratas dos Sete Mares, tu nem me digas uma coisa dessas! :DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  3. Pois a minha quando quis furar, a Srª da Ourivesaria disse assim: "Ai tão linda vai furar as orelhas! Então vai escolhendo os brincos que vou só ali buscar a pistola..."
    Ui até hoje nunca mais me pediu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu já lhe disse isso, que lhe davam um tiro nas orelhas - tau-, que doía horrores....

      (acontece que as amigas já lhe explicaram que põem um creme que anestesia...)

      Eliminar
    2. No meu tempo não havia anestesia para ninguém.

      Eliminar
  4. Por que razão a Palmier não quer que a sua filha fure as orelhas?
    AC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque acho uma coisa super primitiva :D

      Eliminar
    2. Pois, lá está, tenho uma opinião completamente diferente. Furaram-me as orelhas com 3 anos - e porque quis! Tinha umas primas mais velhas que furaram as orelhas e eu fiquei com inveja e pedinchei à minha mãe. Como era uma coisa que a restante família apoiava (quer dizer, são brincos, não vem mal ao Mundo haver pessoas com as orelhas furadas), fui a uma ourivesaria e furei :D. Para mim os furar as orelhas não é uma coisa primitiva, significa apenas ter a oportunidade de usar mais um acessório, pronto ;) Parece que vai ter de se habituar à ideia Palmier, isto de ter filhas com ideias fixas... :D
      AC

      Eliminar
    3. E onde é que esperas que ela enfie os brincos lindos que há no mundo? Deixa lá a miúda e compra-lhe uns brilhantinhos por ter sido corajosa.

      Eliminar
    4. Pffffff... só encontrei um único par de brincos lindos durante a esta minha vida terrena. Vou à procura deles.

      Eliminar
    5. Cá estão:

      https://palmierencoberto.blogspot.pt/2016/08/quinze-anos-depois-voltei-ter-uns.html

      (usei-os umas cinco vezes :DDDDDDDDD)

      Eliminar
    6. Apesar de raramente usar, também os adoro :D

      Eliminar
  5. Furei as orelhas já depois de ter vinte anos. Comentário do meu pai:"pensava que tinha uma filha civilizada."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também furei, mas hoje em dia acho um absurdo:D

      Eliminar
    2. Confesso que gosto de brincos. E não me importei nada quando a minha filha com 7 ou 8 anos quis furar as orelhas.

      Eliminar
    3. Eu cá tenho um único par de brincos... :D (que só uso para casamentos, baptizados e cenas do género)

      Eliminar
    4. Tenho muiiiitos brincos. E uso todos os dias, com excepção da praia, e não sou capaz de dormir com brincos.

      Eliminar
  6. a ir, vá à claires (passe a publicidade) fazem os dois furos ao mesmo tempo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É exactamente à Claires que ela quer ir. Aparentemente foi onde as amigas fizeram os seus buracos:D

      Eliminar
    2. O melhor local é mesmo uma loja especializada em piercings. Nos outros, há uma maior probabilidade de erro.

      Eliminar
  7. É tribal, mas, consola-te com a ideia que se ela deixar de usar brincos os furinhos fecham.

    ResponderEliminar
  8. É pá eu fui à Claires furar as da minha filha para aí aos 2 anos de idade. Não soubesse eu que há quem as fure com meses, ficava envergonhada...

    Máxima

    ResponderEliminar
  9. Eu furei as minhas na adolescência. Fui com a minha mãe. Depois numa das orelhas ainda fiz um 2º furo, o que na altura é muitA radical. Usei brincos meia dúzia de anos. Tenho 39 e nem sei se os buracos ainda estão abertos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brrrrrrr... já estou a imaginar o meu futuro...
      mãe, quando posso fazer mais sete furos nas orelhas? :D

      Eliminar
  10. Eu que não tenho filhos, quando o mais pequeno (primo) pergunta algo que não quero que faça, porque lá está, é miúdo e porque sei que os miúdos não têm memória curta, digo-lhe "quando estiveres da altura do teu pai", como o pai tem 1,85 deduzo que o miúdo chegue lá pelos 16/18anos, podia dizer quando estiveres da minha altura, mas sou trés petite. Portanto Palmier, devia ter colocado a possibilidade de furar as orelhas num futuro mais distante! :P :P :P :P :P :P :P :P :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem sei, mas achei que ela nunca mais se ia lembrar... afinal andou desde esse dia em contagem decrescente! :D

      Eliminar
  11. Não é nada primitivo Palmier.
    Um destes de um lado e do outro lado, um papagaio como os do quadro, e fica um MUST!!! TOP! TOP! TOP
    https://www.uterque.com/pt/bijuteria/brincos/brincos-compridos-com-framboesas-c1748476p7747022.html?listPosition=6&listId=parrilla_jewellery%2Fearrings&color=671

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois, quando fizer mais sete furos, pode fazer uma salada de frutas! :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  12. Ups! Eles crescem e não se esquecem

    ResponderEliminar
  13. Então quando chegar à fase dos piercing no umbigo, no nariz, no lábio e etc, como será, Palmier?

    ResponderEliminar
  14. O meu pai na altura disse-me que só depois dos 16, mas eu tive mais medo que vaidade e ainda hoje, passados os 30, continuo a ter as orelhas por furar (e uma bela colecção de brincos que as pessoas insistem em oferecer). No entanto vale mais os dois furos nas orelhas que piercings vários, tatuagens e correntes!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Epá, o resto está absolutamente fora de questão (espero não vir a engolir estas minhas lindas palavras :D)!

      Eliminar
    2. Pensei que era o próprio que decidia o que fazer com o corpo. As tatuagens não matam ninguém.

      Além do que, com 18 anos, não lhe caberá a si decidir pela sua filha.

      Eliminar
    3. Matar não devem matar (bem, se não forem feitas em sítios em condições até devem poder matar) mas hei-de poder dizer à minha filha que não gosto de tatuagens, ou não? Não me cabendo decidir, há-de me caber aconselhar, certo? Tenha ela dezoito anos ou trinta e cinco.

      Eliminar
    4. Claro que sim. Aconselhar e sobretudo desaconselhar!!

      Eliminar
  15. A minha mãe furou-me com meses! Era mesmo muito pequenina. Depois tive a horrível fase de fazer mais uns mil furos nas orelhas. Quem me dera que a minha mãe não tivesse deixado, mas ela sempre foi muito permissiva. Depois ainda cheguei à fase de querer um piercing no umbigo (qorrrooooooooor) com 15 anos e ela deixou, lá fiz e usei durante 2 meses se tanto! Agora jaz aqui um furinho chato mais os 5 que tenho nas orelhas. Posto isto, apoio a Palmier :D

    Pequena Palmierzita não te metas nisso! Ter furos nas orelhas é tão 1995 :DD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente! É mesmo anos 90, blazer azulão com chumaços nos ombros! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
  16. E já eu, com o meu a mais ou menos 55 dias dos dez e ainda sem precisar feias dessas, costumo dizer para escândalo de toda a gente que se ele se lembrar de pedir para furar as orelhas não tenho autoridade para recusar já que cá em casa toooooda a gente tem furos nas orelhas, dois cada uma das irmãs, 3 o pai e 5 a mãe (aliás se não trouxer um par de brincos sinto me nua, tenho umas argolas prateadas pequenas que uso sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, acho que não terás lá muitos argumentos :D

      Eliminar
  17. Pipocante Irrelevante Delirante21 de abril de 2017 às 19:29

    Furos faço eu nas paredes para pendurar os cortinados.
    Brincamos ou quê?

    No means no.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que eu disse sim. Aos dez anos. Contando com os lapsos de memória infantil :D

      Eliminar
  18. Também não gosto de ver miúdas tão novinhas com brincos. Acho que só se devem furar as orelhas a partir dos 16/18 anos até porque as orelhas da sua filha ainda vão crescer! Diga-lhe isso. Que se furar já, os furos podem ficar muito mal posicionados nos lóbulos das orelhas (não é nenhuma desculpa, é verdade) e mais tarde pode ficar triste com a patetice de furar na infância.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou tentar. Este argumento ainda não foi lançado à discussão :D

      Eliminar
    2. sabes que as orelhas são das poucas partes do corpo humano que crescem durante toda a vida? proibir só serve para afastar...eu tive essa experiência com a minha filha.

      Eliminar
  19. E a tatuagem?! Prometeste-lha para que idade? :DDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vade retro! Tatuagens só de kalkitos! :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. ahahahahahahahahahahahahahahahahaaahahahahahah

      ("kalkitos" - caramba, que viagem, agora)

      pois eu estava aqui muito caladinha, até hoje, mas a NM veio tocar no ponto nevrálgico: achei muita graça a este post pois surgiu no dia imediatamente a seguir à conversa :

      Kim-filho (15 anos): olha, mãe, vou fazer-te uma pergunta, mas não precisas de dizer mais nada, só "sim" ou "não", pode ser?
      Kina-mãe (já a tremer ligeiramente dos ossos nos calcanhares, que já conhece este tipo de abordagens assim bué civilizadas de sua mui inteligente, porém, imaginativa, cria): como assim, "sim" ou "não"?
      Kim-filho: é simples, vou fazer-te uma pergunta e tu só respondes "sim" ou "não", escusas de dizer mais nada...
      Kina-mãe (sabendo que naquele "escusas" estava residente a armadilha que sua mui inteligente, porém, imaginativa, cria, se preparava para lhe enfiar ambos os calcanhares, pelo que não assume o compromisso, enche o peito de ar e): diz lá...
      Kim-filho: se eu quisesse vocês deixavam-me fazer uma tatuagem?

      ...
      ...

      (claro que se seguiu extenso debate, ao qual nenhum de nós se escusou, e só ainda não chegamos a acordo sobre qual a marca etária a partir da qual convencionaremos que ele poderá assumir por inteiro a responsabilidade pelas suas escolhas no que a fazer desenhos por baixo da pele diz respeito. eu digo 18 e ele 16 ( "é que, mãe,eu com 16 anos até já posso ir preso!")... aí a pessoa passa para os 32)

      ;))))

      bom fds!

      Eliminar
    3. Quem ja está aqui a tremer dos calcanhares sou eu, que já só faltam outros cinco anos para me ver a braços com uma conversa dessas! :DDDDDDDDDDDDDDDD

      (que medo! :D)

      Eliminar
    4. Eu fiz mais três furos nas orelhas aos 24, porque namorado e mãe eram totalmente contra piercings no umbigo. Claro que me arrependi logo a seguir, acabei o namoro e fiz o piercing no umbigo aos 25 e a primeira tatuagem logo a seguir, tenho 3 tatuagens e só não tenho mais e maiores porque não tenho dinheiro para isso. Desde que fiz o piercing, fora na praia, numa mais mostrei a barriga, o piercing e as tatuagens são privadas, se @s mostrar sem problemas, se se mantiverem tapadas o mesmo.

      A minha enteada mais velha começou a falar de mais brincos, piercings e tatuagens, a única coisa que lhe disse é que até aos 18 eu não estava de acordo com brincos e piercings, e tatuagens, que esperava que ela fosse inteligente o suficiente para não fazer nada antes dos 24/26, para ter a certeza que a escolha era madura

      Eliminar
    5. Mas olha que não é coisa que me aflija ;) , medo mesmo só tenho de uma coisa.

      Eliminar
  20. Allô?! Daqui fala uma betinha.21 de abril de 2017 às 21:46

    Tenho as minhas dúvidas que pequena Palmy, quando tiver seus lóbulos prontos para a vastidão de todos os looks por ela imaginados, se irá identificar ao ponto de deixar que isso dure mais que meros dias. Como eu, quando implorei à minha Mãe para me deixar vestir um top que mostrava a barriga e só me aguentei um par de horas com o umbigo de fora. Quem vem com classe ao mundo, até pode confundir-se um pouco, mas vai dar seeeempre às origens.

    Proponho aqui um jogo de apostas: Durante quanto tempo usará Palmy seus brincos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errrr... acho que ela está muito determinada... já a vi a pesquisar na net brincos de plástico em forma de emojis, de frutos e mais de sei lá o quê! Todos assustadores! :DDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Engraçado como as pessoas mudam. Há uns anos atrás ser betinha estava quase automaticamente ligado a um look muito cuidado e também com alguma ostentação social, sendo que os brincos foram usados muito tempo para dar precisamente essa imagem.

      Ou seja, não tem necessariamente uma ligação directa com ser beta ou com classe (algo que muitas vezes nem está intrinsecamente associado entre si também) mas antes com normas sociais e expectativas.

      Eu não acho anormal que ela queira, nem que a Palmier não queira que ela tenha. Só que depois de dar uma data em vez de adiar sem se comprometer acabou por criar esta situação.

      Eliminar
    3. Pois, isso sei eu. Acontece que, quando dei a data, não achei que a minha filha se fosse lembrar do assunto quatro ou cinco anos depois...

      Eliminar
  21. Sou tendenciosa, admito. Assumo que possa ser primitivo e piroso, mas adoro. O meu avô, ourives, furou as minhas quando pedi aos 7. Sem pistola, com o brinco e sem dor :) A d o r o ainda hoje. Todos os anos no meu aniversário recebia brincos novos. Atualmente uso sempre os mesmos.
    Bj para a pequena :)

    ResponderEliminar
  22. Sôdona Palmier, gosto do seu blogue e não estava à espera de um erro crasso da sua parte: "há 4 ou 5 anos atrás"... isso não existe. É "há 4 ou 5 anos" apenas. Continuação de bom trabalho no blogue, repito que gosto bastante, e um erro perdoa-se! :)

    ResponderEliminar
  23. Ora, Palmier, é sempre pior quando chegam pela primeira vez a casa na companhia do namorado.

    Mais tarde recordará 'a mãe bem avisou'.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não nos adietemos dessa forma, isto é um dia de cada vez, não podemos saltar capítulos! :DDDDDDDDDD

      Eliminar
  24. eu pedi aos meus pais pra aí aos 10. a minha mãe que tinha pavor até de me levar à vacina disse que se eu queria era com o meu pai. o meu pai foi logo "queres? pois vamos" e levou-me a um sítio de tatuagens e assim. o homem lá todo tatuado num tempo em que nem havia gente tatuada a não ser os do ultramar... pior que eu adorei. na adolescência fiz mais dois furos de cada lado. a minha mãe ia-me expulsando de casa. curiosamente embora tenha uma tatuagem grande e duas pequenas e três furos m cada orelha (e aposto que já fecharam alguns) não consigo pensar em piercings ou tatuar áreas visíveis. e nem consigo gostar da ideia de furar as orelhas a miudas pequenas (tipo até aos 14-15 anos vá). o problema é que tanto na minha cidade (viana do castelo) como no país do marido (argentina)há quem as fure na maternidade. fico doente só de imaginar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, furar as orelhas às crianças em bebé, dá-me arrepios pela espinha abaixo. E não é preciso ir longe, acho que se faz um pouco por todo o lado :)

      Eliminar
  25. Recusar furar as orelhas a mini Palmier é cruel!
    Um furo em cada orelha é a conta certa.

    ResponderEliminar
  26. Palmier, negoceie. Negoceie alto. Um bónus para o quarto novo dela, deixá-la escolher o destino das próximas férias, um acessório mais caro, um curso de verão num sítio fixe, uma coisa qualquer que ela goste mesmo, mesmo, mesmo e que valha mais 6 anos sem brincos. Adia assim uma data de conversas: a dos piercings, a das tatuagens, a do alargador! que uma pessoa sabe lá onde isto vai! Os alargadores matam-me! E os brincos de boi no nariz. Vamos todos respirar fundo e acalmarmo-nos.

    ResponderEliminar
  27. A minha mãe também não deixou. Aos 15 anos furei as orelhas, usei brincos para aí 5 anos. Já agora diga não a tatuagens, aos 13 anos a minha filha quis fazer uma tatuagem, não permitimos, mas e há sempre um mas ela disse "mãe quando fizer 20 anos fazemos as duas uma tatuagem" e aqui a tonta disse que sim. Pensei que já não seria moda que a maturidade era outra. Um mês antes e até ao dia fui relembrada todos os dias, há um ano que tenho uma tatuagem igual à minha filha é mínima mas tem muito significado para duas, e pronto nunca podemos dizer nunca,as promessas são para cumprir :-) boa sorte.

    ResponderEliminar
  28. Palmier, a minha mãe deixou-me furar as orelhas ainda eu era pequena (teria uns 7/8 anos? Nem me lembro bem). Só me lembro que mal me furaram uma orelha saltei do balcão da ourivesaria, saí da loja, e fui-me esconder atrás do carro da minha mãe. Mais tarde furei a outra orelha e, com uns 16 anos, fiz o segundo furo, que entretanto fechou porque aquela porcaria não sarou nem a tiro (pun intended, foi feito com uma pistola haha). Hoje, aos 22, tenho saudades do meu segundo furo, e não ponho de parte voltar a fazê-lo.

    Deixe a mini Palmy furar as orelhas, mas meta a condição de que a Palmier é que escolhe os brincos (deixando-a escolher uns à vontade dela para depois trocar). Assim pode garantir que ela durante uns tempos não usa brincos pavorosos e, se conseguir, peça às meninas da Claires que digam que ela não pode tirar os brincos durante meio ano, que é esse o tempo que demora a sarar se ela não quiser fazer infecções (assim poderá sempre dizer que as amigas dela são irresponsáveis, se ela vier com a conversa de que as amigas trocam os brincos a cada par de meses...)

    ResponderEliminar
  29. LOL... recorda-me quando disse o mesmo ao meu filho com pr'aí uns 6 anos que não podia ver os "Morangos com açúcar" e acabei por ceder, respondendo: aos 10 anos. Nunca uma novela para miúdos tinha durado tanto. Mas os 10 anos dele chegaram e ainda deu para a ver um par de anos :( :( :(

    ResponderEliminar