sábado, 17 de janeiro de 2015

Fiquei aqui a ler os papéis...

E depois da carta que, imagino, a minha avó terá escrito ao meu avô, deparo-me com o rascunho de uma outra, escrita pela mão da minha avó, não sei a quem e por que razão, mas, conhecendo a minha avó como conheci, quase me parece, esta sim, fruto da minha imaginação. Dizia ela em 1944:

Meu caro amigo,

Não sei se alguma vez estas minhas reflexões te chegarão às mãos, mas o meu poder de observação leva-me a fixar certos ditos que hoje te ouvi defender com um tal calor, que não me deixaram duvidas de que estás certo da tua razão. De acordo com a minha maneira de ver, de sentir e de viver, procuro sempre ponderar intimamente e no silêncio da minha alma, os direitos que todo o mortal tem na vida e, por isso, não gosto de pensar na superioridade como previlégio.
Sempre que se procura um convívio amigo, franco e sério, surge sempre uma ovelha negra que procura ferir, diplomaticamente mas de forma certeira, os menos ilustres, os menos favorecidos de inteligência e até de nível social, esquecendo-se que todos eles têm alma, sensibilidade e coração. Por tudo isto, desculpa que te diga, foste tu a ovelha negra da noite passada. Sou tua amiga e gosto de ter vaidade nos meus amigos, pois respeito-os e estimo-os e não gosto de os ver petulantes.
Vou dar-te a conhecer o que penso a respeito da superioridade tanto do homem como da mulher, pois ambos são os fazedores da vida e, como tal, do mundo. Tanto o homem como a mulher têm qualidades de inteligência equivalente e, por isso, a discussão acaba sempre da mesma forma que principiou. Se Deus tivesse querido fazer seres de apenas um único sexo, o mundo seria monótono e todos se queixariam desse facto, mas como Deus achou por bem dotar a humanidade com homens e mulheres, cada um se queixa do outro. Ora, tu sabes muito bem que há qualidades que distinguem e simultaneamente elevam homem e mulher. Na minha opinião o homem é a mais elevada das criaturas, mas a mulher o mais sublime dos ideais, o homem a águia que voa, a mulher o rouxinol que canta. Voar é dominar o espaço, cantar é conquistar a alma. O homem é o cérebro, a mulher é o coração. O cérebro fabrica a luz, o coração produz o amor. O homem é génio, a mulher anjo. O génio é incomensurável, o anjo indefinível. O infinito contempla-se, o indefinível admira-se. A aspiração do homem é a suprema glória; a aspiração da mulher a virtude extrema. A glória faz o que é grande, a virtude o divino. O homem tem a supremacia, a mulher a preferência. A supremacia significa força, a preferência o direito. O homem é forte pela razão, a mulher invencível pelas lágrimas. A razão convence; as lágrimas comovem. O homem é capaz de todos os actos de heroísmo, a mulher de todos os martírios. O heroísmo enobrece, o martírio sublima. O homem tem um leme, a consciência, a mulher uma estrela, a esperança. O leme guia, a esperança salva. O homem está colocado onde termina a terra, a mulher onde principia o céu.

Depois de tudo o que te descrevo, tens de concordar que homem e mulher são, afinal, um para o outro e não, como dizias ontem, um contra o outro. Espero que ponderes em tudo isto e, se o fizeres, estou certa que na próxima vez que nos encontrarmos apertaremos as mãos com amizade e respeito. Como mulher de fé que sou, conto contigo.

Um abraço com o tal aperto de mão,

J.


Estou aqui absolutamente estupefacta... é que, afinal, a minha avó era uma feminista do seu tempo! É estranhíssimo... nunca me dei conta.

40 comentários:

  1. Uau!
    (é estúpido mas foi o que me ocorreu em primeiro lugar)

    ResponderEliminar
  2. Pois Palmy... Ás vezes as pessoas não parecem aquilo que são... :))

    (O engraçado é que se verbaliza quase sempre o recíproco: O das pessoas não serem aquilo que parecem... Hum... Vou ali para o quentinho pensar sobre isto!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)))) eh pah... acho que também tenho de ir ali para o quentinho tentar perceber! :DDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. (Não te esforces muito... Passando da meia noite tolhe-se-me o raciocínio...)

      Eliminar
    3. Mas como foi à meia noite em ponto... Olha... Vai... Mas estás por tua conta e risco, não garanto que faça algum sentido...... É que está ali no border line (ah pois é bebé... eu também falo estrangeiro...)...

      Eliminar
    4. Olha... se amanhã não der notícias... Já sabes! : DDDDDDD

      Eliminar
  3. Maravilhoso!!
    Cá para mim a Palmier é muito neta da sua avó! ;)

    ResponderEliminar
  4. E que bem escrevia a avó. Magnífico.

    ResponderEliminar
  5. esta brutal foi Partilhar o terceiro paragrafo no Mural do meu facebook

    ResponderEliminar
  6. Que missiva maravilhosa! :) Não haverão por aí mais assim que possam ser partilhadas?

    ResponderEliminar
  7. Nunca conhecemos verdadeiramente os outros. Nem quem nos é muito próximo.
    E que mulher extraordinária era a sua avó! :)

    ResponderEliminar
  8. Que maravilha de escrita e de pessoa.

    ResponderEliminar
  9. Chapeau! E assim se honra os antepassados mostrado que isso da genética até é coisa séria.

    ResponderEliminar
  10. Uau, completamente out of the box para 1944, muito antes de nos chegarem as modernices transatlânticas do pós guerra.
    A genética explica e convence. :) :) :)

    ResponderEliminar
  11. Já venho tarde mas não posso deixar de dizer que é um texto maravilhoso! Antigo e moderno ao mesmo tempo....

    ResponderEliminar
  12. Estou aqui a pensar que a tua avó gostaria de saber que outros leriam os seus escritos.
    Sabes que quando construiu a varanda da buganvília deu aos pedreiros uma caixa com coisas que escreveu para que um dia mais tarde alguém encontrasse. Ainda lá está dentro de um pilar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podíamos fazer à casa aquilo que eu fazia ao bolo-rei... desfazê-la até encontrar o brinde:)))))

      Eliminar
    2. Se precisarem de ajuda, contem comigo :)

      Eliminar
  13. Tiro o meu chapéu á sua avó!! Que mentalidade para a época! Já percebi porque escreve tão bem!

    ResponderEliminar
  14. Aí está algo que nunca farei. Ler cartas das minhas avós. Nenhuma sabia ler ou escrever.
    Fascinante reflexão.

    ResponderEliminar
  15. Uau... Não há mais palavras que possam ser ditas... Que orgulho, Palmier, que pessoa!
    Merece ser partilhado...

    ResponderEliminar
  16. A sua avó lia Victor Hugo :) Bom senso e bom gosto.

    ResponderEliminar