sábado, 21 de fevereiro de 2015

E porque nunca foste particularmente feminista, Palmier?

Porque cresci absolutamente convicta que a generalidade das mulheres são mais capazes que a generalidade dos homens. E, como tal, vamos inevitavelmente tomar conta disto tudo. É apenas uma questão de tempo.



63 comentários:

  1. Não sei se alguma vez iremos tomar conta disto tudo mas não tenho dúvidas que a generalidade das mulheres é mais capaz que a generalidade dos homens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D

      (vai ser precisa alguma paciência... mas somos mais. E melhores! :D)

      Eliminar
  2. Cara Palmier,

    Deverei recordar-lhe o que disse a Condessa de Vinhó e Almedina, quiçá ainda prima minha, na sua obra inigualável, Conselhos a uma Noiva, "Não fica mal a uma mulher sêr humilde para com o marido. Isso exalta-a em vez de a rebaixar. Não masses o teu marido com os detalhes do governo da casa. A vida externa pertence ao homem a vida interior á mulher. Se tivéres filhos faz-lhes sempre vêr que o pae é a primeira pessôa na casa."?
    Às senhoras, as rendas e os perfumes. Os homens que limpem o esterco e façam a política. E assim se manterá o sossego familiar.

    Com amizade,

    O Barão da Encosta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Barão, a partir do momento em que os homens precisaram da ajuda das mulheres no governo da vida, puseram em andamento uma roda que, por mais que agora queiram, não têm forma de fazer parar... :)

      Eliminar
    2. Terei o prazer de assistir, em primeira mão, ao ressurgimento da voz de Ana de Castro Osório?
      Que seja, pois então! Mulheres poderosas são ainda mais interessantes.

      Com amizade,

      Eliminar
    3. :)))))

      Acho que não :) é que eu estou tão convicta do que digo, que acho mesmo que basta ficar a ver a roda em andamento :)

      Eliminar
    4. Isso das rendas era muito bonito se nós mulheres não tivéssemos que viver no mundo.

      Eliminar
    5. Lady Palmier, era a menina que caçava de besta,ontem, na Tapada Real?
      Preciso de saber.

      Eliminar
    6. Caro Barão, terá de ficar na dúvida...

      (mas, se fosse eu, a flecha daria origem a uma leve picada soporífera e, neste momento, o porco montanhês estaria são e salvo, reclinado na banheira a tomar um banho de sais e a fazer aromaterapia :)))))))))))))

      Eliminar
    7. Lady Palmier, tendes um coração d'oiro, mas não vos esqueçais de que um só javali pode destruir centenas de hectares de cultivo aos pobres lavadores. Por vezes, dá-se esta necessidade de equilibrar o que o próprio homem desequilibrou. A necessidade de alimentar a população assim o obriga, há-de concordar comigo.

      Com amizade,

      Eliminar
    8. Para já ainda não destruiu nada... aliás, está a portar-se lindamente! E fica lindo com o laçarote cor-de-rosa que lhe pusemos depois do banho :D

      Eliminar
    9. A menina ri-se porque não tem de partilhar os sais com um porco selvagem.
      A Cutxi tem pedigree, é normal que não esteja habituada a essas estranhas misturas.

      Eliminar
    10. Mas ela não ficou preocupada com a partilha dos sais... o problema é que o porco ficou lindo com o laço! Aí reside o drama! :D

      Eliminar
    11. Sabe o que ia bem agora, não sabe, minha cara? Exactamente, uma fotografia desse bicho com o laçarote. Vá lá, Lady Palmier, como de costume, surpreenda-nos.

      Boa noite

      Eliminar
    12. :DDDDDDDDDDD
      Ainda tentei... mas o raio do bicho é tímido :D

      Eliminar
  3. Absolutamente de acordo cara Palmi! É uma questão de tempo....!
    :) EF.

    ResponderEliminar
  4. Embora não partilhe da mesma opinião - os homens que conheço são muito capazes, não tanto como eu, mas não vamos por aí - para atingir esse estado de coisas é muito importante que as mulheres tenham acesso, em condições de igualdade, a educação, saúde (frisando planeamento familiar, uma mulher poder decidir quantos filhos tem ou se os tem é imprescindível à sua independência), e emprego. E aí entram as feministas, que somos umas impacientes, e não nos apetece esperar o tal tempo em questão. Se depois mandamos ou não nisto tudo, meh, não é o que me move. Apenas que possamos mandar em condições de igualdade, em querendo. Ter a liberdade de querer e poder é a minha maior bandeira como feminista, seja uma rapariga portuguesa ou iraniana ou sudanesa, todas termos o direito a ser o que quisermos, e meios para o atingir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também conheço homens muito capazes, mas a verdade é que, em termos médios, estou convencida que as mulheres estão um pouco acima. Em postos de trabalho iguais, se tivermos um homem e uma mulher, a mulher é muitas das vezes melhor do que o homem. E - e esta afirmação parte apenas da minha avaliação directa - acho que são, sobretudo, mais responsáveis e sérias. E isto é uma generalização, porque há homens igualmente honestos e sérios (e mulheres irresponsáveis e desonestas). Na empresa onde trabalho, havia, inicialmente cerca de 70% de homens para 30 % de mulheres. Hoje em dia somos 50/50. E somos definitivamente uma empresa melhor. E as mulheres quando são boas a trabalhar, caramba, são mesmo, mesmo boas :) tenho mesmo orgulho em nós :)
      Acho que, e novamente generalizando, na nossa realidade e hoje em dia, as mulheres têm acesso à educação e à saúde e que estarão aptas a fazer as suas escolhas (haverá evidentemente casos em que isso não acontece, mas caminhamos para melhor). Noutras realidades, nomeadamente no Irão ou no Sudão, não são só as mulheres que têm de ter acesso à cultura e educação. Os homens também têm. É que, se tivessem, provavelmente não assistiríamos às barbaridades que, infelizmente, ainda assistimos. O estágio de desenvolvimento civilizacional está a anos luz do nosso e, para nos alcançarem, é preciso tempo. Tal como para que todas as coisas que, por cá, ainda não funcionam... tempo. Porque as mentalidades não se mudam com um clique.

      Eliminar
    2. Pode ser verdade para a nossa realidade - minha e tua - mas basta sair dos centros urbanos ou certos círculos sociais para tomar conhecimento que em Portugal a realidade é muito diferente daquela a que nos habituamos. Ainda há muito a fazer, mesmo cá. E quanto ao trabalho, bom, a diversidade é sempre um benefício e sim, as mulheres têm uma forma diferente de ser e estar, é uma herança cultural. Mas qualitativamente não consigo ter a mesma opinião que tu e, curiosamente, sou feminista.

      Eliminar
    3. Claro que sim, Izzie, claro que ainda há muito a fazer, mas também há já muita coisa feita, e a sensação que tenho é que a progressão é geométrica :)

      (agora, quanto a mulheres e homens a trabalhar, e novamente generalizando - porque há homens óptimos- acho que as mulheres são muito mais despachadas, muito mais capazes de se equilibrar na adversidade, de mudar quando é preciso mudar, de meter a mão na massa, e que os homens ficam um bocado "xoninhas" quando as coisas não correm como eles acham que devia correr. Os homens -generalizando - são muito unidireccionais :) - sabem muito lá do jardim deles e depois o resto escapa-lhes :)))

      Eliminar
    4. Mas é óbvio que as mulheres são muito mais capazes!

      Eliminar
    5. Eu concordo consigo, Palmier: que a mulher tem não so uma maior capacidade dedutiva como ainda um maior discernimento, ou seja, e mais rapida a pensar e quase que por intuição fá-lo sempre bem e isso transportado para a obra activa é tremendamente eficiente mas, é neste caso o mas é tão grande que derrota tudo quanto de superioridade cerebral a mulher possa ter sobre o homem.
      Minha cara Palmier, por muito feminista que seja enquanto a mulher colocar em primeiro plano o batom e os sapatos, podem os homens viver sem receios.
      Ora como mais facilmente uma mulher abdica da vida do que da beleza, estamos conversados.

      Eliminar
    6. Ahahahahhahhahahhahahhahahahhahahhahhahahahhahhahhahahhaha
      A questão é que nós conseguimos tratar dos batons e dos sapatos e, ainda assim, resolver tudo o resto...

      (e cuidado com esse tipo de afirmação... hoje em dia vejo muitos homens tão ou mais preocupados com os batons e os sapatos, que muitas mulheres...)

      Eliminar
    7. Isso também é verdade. Nem sequer me estava a lembrar disso. Têm tempo para tuo, o raio do mulherio. Para os batons, para os sapatos, para os filhos, para os cãezinhos e os gatinhos, para cuscarem em todo o lado, para verem o vestido desta e critricarem os sapatos daquela, e ainda paara trabalharem cvom eficiência.
      Rais parta a mulher que tem tempo para tudo menos para o marido. Rais vos levem.

      Eliminar
  5. Acho que homens e mulheres têm pontos fortes e pontos fracos. Seria óptimo partilhar "isto tudo". Mas ainda agora começámos a percorrer o caminho. Tanto por palmilhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, todos têm muito a seu favor. Mas as mulheres deitam mãos à obra, são mais versáteis e multifacetadas e acho que isso acaba por lhes dar uma maior vantagem :)

      Eliminar
  6. *capazes*? de que assunto falais sua excelência Duquesa de Palmier, Blogo, e terras do sul?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebo... deve ser difícil, depois de tantos anos convencidos de uma determinada verdade, confrontarmo-nos com o seu contrário... :DDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  7. Hoje, ontem na verdade, fui salva por um homem. A César o que é de César.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pipocante Irrelevante Delirante22 de fevereiro de 2015 às 16:26

      O senhor da assistência em viagem chamava-se Cesar?

      Eliminar
    2. Eles têm muito mais jeito para trabalhos manuais, nada a fazer.

      Eliminar
  8. Doce Palmier,
    Também há quem diga que a islamização do ocidente é inevitável. Será?
    Cordialmente,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
  9. Se isso não é ser feminista, tenho medo do feminismo :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. as isto não é ser feminista... é ser apenas realista :DDDDDDDD

      Eliminar
  10. Nós já tomámos conta disto tudo, Palmier. Ou não tinha ainda reparado? ;)

    ResponderEliminar
  11. Conheço alguns homens capazes. Só alguns. Não são nada por aí além, mas conseguem alcançar -com mérito- objectivos de valor. Dito isto, apoio 100% este seu post e subscrevo as suas palavras na íntegra.
    Sabe, no íntimo os homens têm a noção desta realidade mas o choque da descoberta é demasiado violente , por isso embarcam na negação.
    Isto de aceitar bem que afinal as coisas são como são porque sempre deveriam ter sido assim, nunca foi apanágio masculino.
    BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será? Acho que, quando derem por isso, será tarde demais! :D

      Eliminar
  12. A nossa sorte é que as feministas, há 100 anos, se cansaram de dar tempo ao tempo e decidiram assumir a sua militância por palavras e, principalmente, actos, senão aínda hoje não votávamos... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, longe de mim não lhes atribuir a importância que tiveram :)

      Eliminar
  13. Pipocante Irrelevante Delirante22 de fevereiro de 2015 às 13:44

    Vais tomar conta disto vais...

    Palmier a PM, Doce às finanças e Picante nos negócios estrangeiros.
    Pelo menos o saco azul passava a ser Gucci

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDDDDDDDD

      Com uma grande diferença: os sacos de plástico seriam substituídos por sacos Gucci. Os azuis seriam banidos para todo o sempre.

      Eliminar
  14. Esse pecador que ajudou a Picante vai ter muitas contas a prestar a Deus, quando se apresentar às portas do Céu!

    ResponderEliminar
  15. Só me preocupa que esse tempo não chegue a tempo das nossas filhas. E espero ter tempo para ver um vislumbre dele. Porque sim, vai acontecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chega, chega! Elas são terríveis, nunca deixariam escapar a oportunidade :)

      Eliminar