segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Abaixo a ditadura das festas de aniversário

É vê-los, esforçados, a tentar encontrar o mood mais adequado à festa, a planear os convites mais requintados, praticamente de casamento, a recolher imagens do Pinterest, a encomendar bolos cada vez mais sofisticados, os frasquinhos de vidro com palhinhas de papel às riscas ou às bolinhas (ah..., os frascos de vidro... tão adequados às crianças), a pensar nos lolly-pops mais coloridos, nos muffins mais originais e na animação, que as nossas crianças têm de ser animadas, nos balões, a criar o ambiente mais mágico, seja no jardim, na montanha ou numa ilha deserta no meio do Pacífico, o importante é que tenha a decoração mais bela, os adereços mais incríveis, os gift-bags com mais açúcar, que os pais têm de fazer boa figura nas redes sociais e os nossos príncipes merecem tudo, numa voragem de que se alimentam mutuamente, dias e dias de nervosismo e planeamento em busca da perfeição, porque as crianças vão crescer e têm de ter estas memórias,  não queremos que cresçam a pensar que são menos que as outras, Deus nos livre, isso é que nunca!


89 comentários:

  1. Sabes lá, Palmy, os traumas que uma geração de festas unmatchy-unmatchy e, consequentemente absolutamente infelizes, guardam. Só pode ser trauma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahhahahahahahahahahaahhahahahahahahahahahahahahahaha
      Não tarda as festas unmatchy-unmatchy passam a tendência! Ouve o que te digo! :D

      Eliminar
    2. Oi? Falou da minha cidade?
      :D

      Eliminar
  2. ah, caraças! finalmente encontrei o eco das minhas preocupações!
    Já assisti a festas verdadeiramente babilónicas, eu que sou e frequento meios de classe média a atirar para o baixo (mas que querem atirar para a alta) e fico sempre a pensar do que terão prescindido para propiciar essas memórias às crianças, ou em quanto os avós terão de ter "entrado" para realizar os sonhos (!?) das crianças!
    Difícil não entrar no campeonato e tentar manter a sanidade mental! Por mim, embarquei em fazer uns convites bonitos (o pai trabalha em design...por isso gasto pouquíssimo dinheiro neles), uma decoração mínima para a festa (umas simples etiquetas para a comida) e não ofereço lembranças (afinal o aniversariante é q deve receber prendas, certo?). Mas há sempre uma mesa muito composta de comida...não tão bonita, certamente como essas, em que há um mood...

    :) :)

    Palmier a presidente! :)

    C.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha... eu cá, desde que não seja dentro de casa (bastou-me uma) por mim está tudo bem! :D

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Pronto, pronto Lulu... As férias estão quase aí! : DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. Ahahahahaha, acho que vou fugir....schhhhhhhh! Nao contes a ninguém.

      Eliminar
  4. Deus nos livre!
    Mas isso só é preocupação para quem não conhece a "limonada-limão" e a pode pagar...
    Quem conhece, está com Deus e garante infância feliz às adoráveis criancinhas.

    ResponderEliminar
  5. Eu bem digo que ter um só filho dá mais trabalho do que ter quatro, ou até oito. Queria ver aquele aparato com mais do que uma criança :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Linda, eu cá vejo em pessoas com mais do que um filho, vivem de festa em festa, é uma coisa quase que generalizada e a mim... Se é verdade que nos primeiros aniversários do meu filho mais velho, exagerei um bocadinho, depressa me apercebi que os miúdos se estão totalmente nas tintas para estas mariquices... querem correr, brincar, comer sobretudo batatas fritas, gomas. O resto é-lhes indiferente...

      Eliminar
    2. Tal e qual. Nos mesmos exageros caí eu, e caímos todos.
      Uma mesa de batatas fritas e gomas, como dizes, pipocas, gelatinas e salsichas, e está a festa feita com 1/10 da despesa e dez vezes mais divertida.

      Eliminar
    3. Houve um ano, em que a minha filha mais velha me pediu uma festa cujo tema seria as Monster Hight. Eu sou uma pessoa pouca dada as estas mariquices mas lá cedi, porque lá está, percebi que praticamente todas as festas a que ela ia, tinham um tema e com todas as mariquices que isso implica. Lá andei eu em busca de imagens grandes, pequenas, de todas as cores e feitios, cortes e colas para um lado e para outro, bonecas monster hight recortadas para colocar nas palhinhas (pretas), compradas especialmente para o dia...etc, etc, etc. Escusado será de dizer que 5 minutos após os miudos chegarem, já andava tudo num "badanal"...
      Tudo isto para dizer, que concordo com o que diz, os miúdos não querem saber se a festa tem tema, qual o tema da festa, apenas querem brincar, correr, sujar e comer as ditas "porcarias" (gomas, rebuçados, pizzas), ao que estão autorizados a comer por ser dia de festa...tudo resto serve apenas....para o ego dos pais.
      Sílvia

      Eliminar
    4. É a própria Palmier que reconhece ter exagerado um pouco nos primeiros anos (eu também o fiz, somo todas iguais). Não esquecer, pois, de que nos casos visados no espirito do seu post falamos de gente com filhos pequenos, ou seja, nos primeiros anos das suas experiências como mães que são.

      Eliminar
  6. Boa Palmier!
    Pensava que era só eu a ter essa opinião, por não pertencer à classe das gentes que organizam tais festividades. Sempre em tons pastel, claro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim faz-me confusão... mas se calhar sou eu que tenho problemas... : DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  7. É verdade Palmier, é uma loucura, uma competição louca para ficarem bem na fotografia ( os pais, claro!), a festa mais gira do ano... SÃO SÓ CRIANÇAS!!! Dêem-lhes uma bola, umas cordas de saltar, espaço para correr e eles ficam felizes, afinal são SÓ crianças, são puras, alegres e tão fáceis de agradar. Credo! Que gente doida! Estão a ver se criam 'monstrinhos'...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Yap! Espaço para brincar e está a festa feita! :D

      Eliminar
  8. ????????????????? uate de fók?!?! iu donte lôve de matchi-matchi partis???
    (Alguém salve a DIVA Cutxi desta Palmier classe baixa!)

    ó pá, mas as fotos ficam tão instagram-fixes!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. : DDDDDDDDDDDDDD
      Pobre Cutxi... tem o futuro completamente arruinado! : DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  9. Pipocante Irrelevante Delirante10 de agosto de 2015 às 16:40

    A palmier vem para aqui para o meio do povão fingir-se de simples, mas os aniversários dos petizes são certamente festas temáticas que decorrem nos Jardins do Palácio de Belém, com o Chef Chakal a preparar uns finger foods para os papás enquanto a Xana Toc Toc (ou a própria Violetta) diverte a pequenada. A meio da festa entra a fanfarra da GNR, os pequenos passeiam nos cavalos da Guarda, e há pelo menos 3 drones a filmar e fotografar todo o evento.

    Cá eu, foi mesmo numa mata (o Verão é lixado para festas ao ar livre), com sombrinha, mas muito pó. Os putos, é dar-lhes uma bola (e ainda pegaram nuns paus e tal, não sei se respeita as normas de parentalidade), e eles divertem-se sozinhos. Os comes e bebes foram em modo DIY, a decoração passou por uma toalha de plástico e meia dúzia de balões. Diz que correu bem... mas de facto, não tenho fotografias que o comprovem, por isso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ajahhahahahahhahahahhahahahahahahahahahhagagahaahahahahhahahaahhahahahahahahahahahaggah

      O futuro das festas está nos drones! Isso é que vai ser! Festa sem drone não é festa : DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  10. Palmier quer acabar com este nicho de mercado? os casamentos e baptizados já não são mercado suficiente para tanto empreendedorismo :D
    Confesso que gosto de festinhas com tema mas só porque gosto de fazer os bolos e armar o decor . Faço as festas lá em casa com limite de número de amigos ( festas com a turma toda são na escola...) e sem direito a animação contratada, afinal de contas é suposto as crianças terem imaginação q.b para darem conta do recado. Na verdade faço uma reedição das minhas festas de aniversário onde só iam 3 ou 4 amigas e a família, mas com um bocadinho mais de produção. Tem corrido bem

    ResponderEliminar
  11. Olha, a minha cria, com uma festa planeada de vespera, nunca se divertiu tanto!
    Teve as amigas em casa, teve bolos e croquetes, sumos de fruta e depois foi vê-las todas a cantar o "lerigou"!

    Vá lá, teve a sorte de haver um bolo com a tromba da Violeta em exposição!

    Divertiu-se à brava e não foi preciso grande coisa!

    Acho que as memórias não serão do bolo espectacular, das trampas todas, do sítio, mas se se divertiu com as amigas ou não...

    :)

    ResponderEliminar
  12. Pipocante Irrelevante Delirante10 de agosto de 2015 às 16:45

    Há criançada que deve ficar espantada no dia em que não for seguida por uma máquina fotográfica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho mm q devem haver crianças que acham q as maquinas são um prolongamento natural do corpo... :)
      Mas hoje fiquei radiante por saber q a PSP colocou alertas na sua pagina, a adverter p a exposicao dos petizes.

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante10 de agosto de 2015 às 18:29

      PSP?
      Que blog é esse? Pipoca Sem Picante?

      Eliminar
    3. Olha q isso é boa ideia, bom nome :D

      Eliminar
  13. Antes de ser mãe. e quando gozava com essas coisas, diziam-me que quando fosse também iria esmerar-me nessas coisas. O meu filho já fez dois aniversários e ainda não aconteceu nada :) Ainda haverá esperança? Neste último comprei um bolo no café no próprio dia, comemos logo de manhã após o pequeno almoço na mesa da cozinha e depois fomos passear em família. Acho que já não tenho remendo e quem em tira os rissóis, o frango grelhado comido com pão saloio e as mousses em copos de plástico nas festas infantis, tira-me tudo.

    ResponderEliminar
  14. Este ano fiz a primeira festa para os amigos da escola da minha filha. Espaço exterior temos bastante, por isso pus uma mesa com o tema que ela escolheu, um insuflável enorme e pinturas faciais, perdão, face painting. A coisa correu bem e os miúdos estiveram entretidos, que era a minha preocupação. Mas no final da festa(nança), ficou a questão: como é que vou igualar ou superar esta festa? Se para o ano quiser fazer diferente, com menos "aparato", será que ela se vai contentar? E fiquei preocupada com esta bola de neve que tendem a ser as festas infantis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se preocupe. Há 3 anos que falo festas iguais para o meu filho mais velho (lanche normal, insuflável, só invisto no bolo) e ele e a criançada adoram.

      Eliminar
  15. A mim, do alto dos meus 31 anos feitos ontem, esta onda das festas em que tudo combina e parece que só servem para elevar o ego dos papás causa-me uma certa náusea... Afinal as festas são para agradar a quem? Enfim...
    Jo

    ResponderEliminar
  16. Estacionário não tem que ver com estacionamento dos automóveis dos papazinhos?

    Graças a quem quer que seja, aos 15 anos a minha filha já não queria festas, nem bolo!, de aniversário. Jantar e cinema com as amigas mais chegadas e já tá! Claro, enquanto bebé, houve anos em que teve cinco (!!!) festas de anos, só para que as bruxas pudessem desfrutar do aniversário da criancinha. Agora, andam a pensar que faço festa e não as convido! Hahahahahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha fez 16 anos em Julho. Mês horrível (para ela) para festas. Já cá não está quase ninguém (faz a 28).
      Até agora teve umas 5 (quando era pequena). Nunca foi muito de pedir. Gostava era de desembrulhar os presentes e uma ida ao Zoo e a coisa estava feita. Ah, houve uma vez que fomos ao Oceanário. Yupiii... (mais para mim).
      O bolo era quase sempre da esticada da Barbie. Enfim!! Ah, também teve um do Batatoon (está a ficar velha coitada).
      Agora, quer é praia com os amigos. Ah e o telemóvel, muito importante.
      Eu tenho 35 anos e os meus pais faziam-me uma festa todos os anos. Mas aquelas que realmente gostava, com os padrinhos, os tios, os avós, as amigas da escola. A única coisa que era comprada era o bolo. Tudo o resto era a minha mãe e a minha tia que faziam. Como faço anos no inverno, não podia faltar o cházinho.
      Belos tempos esses...

      Eliminar
  17. Do que se pode ver aqui no blog as festas das suas crianças podem não ser iguais mas devem custar bem mais caro! Não se esqueça que muitas "delas" não pagam nada. É tudo feito a troco de publicidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem é a questão do caro e do barato... é a loucura da coisa! A mim deixa-me perplexa...

      Eliminar
    2. Nisso estou totalmente de acordo. Como se uma criança de 4 ou 5 anos se ralasse alguma coisa com aquelas tretas. É mesmo uma questão de moda e para satisfazer o ego das mãezinhas. Compreendo que para algumas pessoas seja realmente um prazer organizar aquele tipo de decorações e o façam com todo o gosto, acontece que isso não acontece com a maioria das pessoas que têm uma vida ocupada, com montes de afazeres e que precisam é de descansar ao fim de semana. Mas fica bem no blogue e as "vips" têm, as delas também têm que ter. Sad but true...

      Eliminar
  18. E é mesmo isto!
    Destas mães da blogosfera, acho que a que proporciona mais divertimento às crianças e festas mais "normais", apesar de tudo, é a cacomae. As outras é mesmo só show off...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Curioso que descobri esse blog há pouco tempo e tive a sensação (foi um feeling apenas, não tenho bases concretas para pensar assim) que apesar de parecer igual aos outros, na verdade não é. Sente-se ali muto mais autenticidade. Um gosto genuino pelas coisas bonitas, pela decoração da casa muito clean... soa a verdadeiro e nada plástico. As coisas são feitas por eles e não são contratadas e compradas a troco de publicidade. E se por acaso estou enganada, então são muita bons a disfarçar ;)

      Eliminar
    2. Nem vou comentar...a exposiçao q essa senhora faz das filhas é absurda!
      Num dia fica apreensiva pq acha q um homem na praia andou a tirar fotos às filhas, 2 dias depois publica fotos delas em fato de banho.
      Desculpem lá mas isto é n ter...olhem...
      E sim, ali deve ser tudo mto genuino...sem publicidade

      Eliminar
  19. É pá, os meus filhos devem ser muito básicos... As festas que eles mais gostam são no Playzone cá do sítio, todos ao molhe, a suar, em coletes amarelo fluorescente. Quem nasceu para lagartixa não chega a jacaré.

    ResponderEliminar
  20. Felizmente, na sala da minha filha ( e apesar de estarmos a falar de escola privada), nunca vi festas com tema. Geralmente optam-se por sítios ao ar livre (museus mais no Inverno), onde possam correr e cansar-se, com lanches básicos de sandes, batatas fritas, gelatinas e doces normais. De facto não sei como são as festas para a família, mas para os amigos da escola são do mais normal que existe. E não só isso, como se adoptou uma festa única com os aniversariantes de cada mês: ganham os pais que não têm uma festa de anos todos os fim de semana e os pais organizadores, que dividindo as despesas podem proporcionar uma coisa melhor. Mas nada de mood boards ou festas de pinterest, onde nitidamente quem quer aparecer são os pais.
    "A mãe lá da escola"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amo as festas conjuntas! Antes desta escola era fim-de-semana sim, fim-de-semana não. Não fazia mais nada! :D

      Eliminar
  21. E o que eu gosto dos cartões que identificam os comes e bebes? São muito úteis: há dias numa festa dessas quase que comia um croquete a achar que era um rissol. Salvou-me o cartão 😀

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, são fundamentais! então para as crianças que ainda não sabem ler... : DDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  22. Vocemessezes estão para aí a falar e estou eu aqui ainda toda esbardalhada da festa de aniversário do meu filho, no sábado.
    Este ano foi assim: Só veio criançada. Havia doces, croquetes, rissóis etc... Os putos passavam e só via paus na boca, dos chupas. Batatas fritas era só marchar, as pipocas, gelatinas, doces, mousses ficaram. No final olhei para a mesa e pensei onde ia por aquela tralha toda. Como tenho muito espaço, mandei os pais trazerem as bicicletas, comprei jogos divertidíssimos na Tiger (muito baratos). O dia foi passado entre mergulhos (onde passaram grande parte do dia), corridas e jogos. A mãe e o pai passaram o dia a beber caipirinhas, deitadinhos nas camas de rede e a pedir aos miúdos para comerem, por favor.
    Adultos não tiveram direito a festa, temos pena. Para o ano ainda vou poupar no que ponho na mesa. Estão completamente a borrifar-se. Ah, e não tocaram na playstation, que foi o mais importante.
    Já agora, Palmy, boas férias. Pequena Cutxi fica lindíssima em modo veraneio.

    ResponderEliminar
  23. Deixei há dias de seguir um blogue por já não ter pachorra para a conversa (que dura há semanas) dos preparativos da festa de aniversário de uma filha de 3 anos...

    ResponderEliminar
  24. Eu ainda vou escolhendo um tema, os meus gostam. Mas desde o ano passado que, em vez de mandar fazer bolos com cake design, faço um bolo normal e coloco os bonecos em cima, tem a vantagem que depois ficam como brinquedos. Daqui a uma semana o meu filho faz 3 anos, pediu um bolo do homem aranha por isso comprei um boneco do dito cujo para pôr em cima do bolo, vai ter umas bandeirolas e balões azuis e vermelhos. E chega. A comida é salgados e doces, não há cá etiquetas nem doses individuais, é usar as mãos ou guardanapos para tirar das travessas!
    As festas que se vêem nos blogues são uma produção de revista, não digo que os miúdos não se divirtam mas claramente há muita coisa feita só para mostrar aos adultos. E volta e meia perde-se a noção do bom senso, eu hoje vi fotos de mousse chocolate azul e amarela. Bolo de natas azul. Como se diz aqui no norte, qu'esta merda?

    ResponderEliminar
  25. Assim de repente estou-me a lembrar do baptizado da minha afilhada: numa terreola, onde o número de idiotas por metro quadrado é mais elevado que a exposição solar no deserto. Aquilo não era um baptizado: foi a quinceañera, o noivado, o casamento, o nascimento do primogénito, a bênção das fitas do infantário, o nascimento das gémeas e ainda o funeral do bivó! O bolo levou a minha preciosa mãezinha ao delírio, pois por momentos julgou ter viajado até aos anos 70: 3 andares e uma cegonha em equilíbrio.
    1º aniversário da petiz: só faltou convidar uma Tuna, porque os bombeiros estiveram lá.
    2º aniversário da petiz: sem Tuna, sem bombeiros, mas uma verdadeira despedida de solteira!
    3º aniversário da petiz: sem Tuna, sem bombeiros, mas com direitos a artista de karaoke….as letras? Tipo Noé Monteiro ou lá como se chama o ser….
    4º aniversário da petiz: por momentos, julguei que iam lançar satélites a partir da santa terrinha….mas que a criança teve um bolo gigantesco e muitos muffins, cupcakes, marshmallows (é assim é que se escreve?! Quero lá saber!) lá isso teve. Até a bivó estava estupefacta e perguntava em voz alta: mas que porcaria é aquela?!
    5º aniversário da petiz: Tive pena que não tivessem strippers. Muita pena, mesmo. Porque a mãe da criança escolheu o tema manga japonesa, “porque gostou muito das roupas das adolescentes” (sic)…e explicar à alimária o significado dos referidos desenhos?! Desisti e rezei para que o gajo da batina fosse stripper. Bolonga que dava para recordar os famosos anos 80!
    6º aniversário: o momento ideal para conhecer a Violeta. Muita purpurina, muito brilho, muita foleirada, muito saquinho de gomas para os convidados e ainda uma menina sexy (com 12 anos) a imitar a dita cuja. Os convites fizeram-me lembrar as festas do Plateau nos anos 80. Os posters, as amiguinhas todas com ar de Misses e as mães deliciadas.
    7º aniversário: Temática simples e adequada à idade: Madonna. Aliás, sabemos muito bem, que a Madonna gosta de pobres. Adorei a coreografia que ela e as amiguinhas dançaram para os convidados.
    Este ano, temo pela minha vida e pela minha sanidade mental…..será que vamos ter o Sexo e a Cidade?! Quem será a Samantha?! A aniversariante!?

    Ainda não entendi a necessidade patológica de fazerem festas como se fossem uma dinastia árabe, africana, asiática com festas faraónicas. A criança quer um bolo, batatas fritas, mousse, batatas fritas, gomas, batatas fritas, coca-cola, batatas fritas, sumos e gritar como se o mundo estivesse a ser atacado por ET’s! Os rapazes querem jogar à bola, andar de bicicleta, gritar “morte” a qualquer amiguinho, disparar a torto e a direito, e as miúdas guincharem até a pessoa ter vontade de as estrafegar, andarem a aborrecer os rapazes, fazerem poses ao espelho e andarem a falar mal umas das outras!

    Façam um bolo, coloquem a mesa, preparem sangria para os pais e deixem-nos à vontade! Se depois os vossos filhos deixarem de ser convidados para as festas, só porque a vossa era pobre (sem tanto bling e requinte) é sinal de que os pais dos amiguinhos são uns perfeitos anormais.
    M.Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
      MUITO BOM!!

      Eliminar
  26. Olá olá ! Isto de aniversários é tema de interesse renovado !! Proponho um workblog pós férias, ministrado por quem sabe destas coisas, para que, pobres e tacanhas avós como eu possam saber onde alugar o castelo insuflável imprescindível à celebração do primeiro aniversário de sua neta. Agradeço todas as dicas que Palmy & Cia me possam dar nesta matéria.

    Votos de boas festas de aniversário :)

    ResponderEliminar
  27. Suponho que a alfinetada (também) seja para mim (e não me importo!) Interrompi os preparativos da festa do próximo ano para te vir dar contas da minha vida, que eu cá não quero ser mal interpretada, pá! Afianço-te que aqui nos subúrbios da linha nos divertimos imenso a organizar uma festa temática,praticamente tudo DIY, nos juntámos num grupo de amigas a fazer doces azuis,a tirar fotografias parvas, onde demos tantas gargalhadas no antes e no durante e no depois que vamos repetir toooodos os anos, onde encomendámos um bolo bonito que encheu os olhos a toda a gente mas (principalmente, vê lá a loucura!) à Ana, que gosta de coisas bonitas, e de Frozen, e de todo o imaginário azul. Opá, eu queria que ela gostasse de festas a preto e branco, cenas nude, minimalistas mas- opá!- ela gosta de bonecos e de balões. Deserdo-a já ou vejo se continua a crescer bonitinha e casa com um jogador de futebol e me garante a reforma?
    Era só para ter encomendado uns frangos e colocado toalhas de papel mas como temo a exclusão social e chateia-me imenso não ser aceite aqui na chyke villa de Alcabydche vi-me obrigada a isto. Juro que quando todos foram embora comi frango com as mãos, lambi os dedos e mamei jolas pelo gargalo. Gostas mais de mim agora? Sim? Sim? :D

    Disclaimer- os frascos de vidro eram de compal, não chames a ASAE, tu por Deus! Juro que quando ela vai ao café bebe por copos de plástico que obedecem à ISO 9011 e palhinhas NUNCA que o plástico não é eco-friendly, tu não me julgues, Palmier, foi mesmo só para as fotografias! Abaixo o vidro! Buhhhh!

    Disclaimer 2- A Ana gostou muito da festa. :) No dia a seguir quando acordou perguntou se podíamos voltar para lá e ficou triste quando percebeu que as pessoas haviam bazado. No fundo temos ascedência cigana- festas de uma semana é que é- mas renegamos as origens, pinto o cabelo de loiro oxigenado à miúda e tudo para pertencermos ao matchy-macthy world. :D Já disse para não chamares a CPCJ, já??? Era vidro temperado. De Murano. Biodegradável. A Compal etá muito à frente no negócio dos vidros, pá! Acreditas-me? Sim? Sim?

    Discalimer 3- Para o ano emprestas-me o avião? O balão com o hélio com o número "3" não foi suficiente tcharam! A partir de agora, só de faixas de avião para cima, vale? És a tia Palmy, não podes deixar por menos. ;)

    Beijinhos ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pólo, a crítica não era para ti, é para uma tendência de festas faraónicas que a mim me parece artificial. Não gosto. Acho demais. É a minha opinião.

      Se eu der um Ferrari ao meu filho de doze anos ele também é capaz de gostar...

      Eliminar
    2. Faraónicas? Tenho visto festas em formato picnic e tudo, achas mesmo faraónicas?
      A crítica não sendo (também) para mim teve um timing que se adequava (mas se fosse, eu aguentava, juro!) ;)
      No meu caso o tema era o Frozen, não a Cleopatra. Mas fica a ideia para o próximo ano.

      (Já estou a vibrar com a banda sonora: "walk like an egyptian!" Me aguaaarda!)

      Eliminar
    3. Eu tenho visto absolutamente faraónicas, para lá de Bagdad, mesmo as que são em formato pic-nic... e nalgumas a que tenho ido, sinto a concorrência de mães em crescendo.

      De qualquer forma, acho muito bem que faças as festas da tua filha conforme gostas e queres, eu para os meus, tento simplificar...

      Eliminar
    4. Era para ter feito uma coisa mais simples tipo um churrasco na piscina. Mas... não tenho piscina! :/

      (Mas houve mangueirada: coisa "less is more", "back to basics". Passo na auditoria de terceira parte de aniversários da Palmier: passo? ;) )

      Eliminar
    5. Polo, é apenas a minha opinião. Não a quero impor a ninguém...

      Eliminar
    6. E é a minha. :)

      (Não te preocupes que não impões! ;) )

      (Anyway, a crítica nem era para mim ... :) )

      Mais beijinhos

      Eliminar
    7. Palmier a presidenta!!!!

      Eliminar
    8. Aliás, esta minha opinião nem sequer é nova...

      http://palmierencoberto.blogspot.com.es/2014/02/agora-serio-sera-que-sou-um-velho-do.html?m=1

      Eliminar
    9. Palmier a escrever o mesmo post desde 1968... (Até parece que tens setenta anos disto carai... Sabes os truques todos.)

      Eliminar
    10. Eu sou assim... aprendo com os melhores... :DDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    11. Sabes o que te digo? Nunca tive uma festa com tema, para além do bolo. Acontece que hoje em dia as crianças querem ser sempre elas a fazer o bolo, para mal dos pecados da minha dona Joaquina. Em compensação tenho sorte dez a doze crianças em casa, durante dois dias. Sou capaz de passar a ter festas com tema, sem batatas fritas e gomas mas com tema, é coisa para me dar mais sossego...
      Beijinhos! Beijinhos!
      (jjá nem me lembrava do post, quanta gente antiguita...)

      Eliminar
    12. Ahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha!!!!!

      Palmy, I LOVE YOUUUUUUUUUU!

      Eliminar
    13. Mas se toda gente o faz pq q gosta e acha bem, n deveria sentir necessidade de se justificar.
      Eu tb acho tudo um abuso e por acaso tb já tinha abordado a temática há uns dias.
      Pic-nic, sim acho super normal, alias eu pp fiz um, já aquilo q tenho visto a passarem como pic-nic's...n me lixem (p n dizer pior)

      Eliminar
    14. Não era preciso tanto, Polo Norte. Não era preciso tanto.

      Eliminar
  28. Eu acho que conheço os ricos errados. É que já frequentei umas quantas festas de gente com posses e eles não querem essas mariquices. Investem em bom vinho para os adultos, mariscos... para as crianças um insuflável ou algo assim, mas nada de mariquices.

    ResponderEliminar
  29. Havia deixado um comentário, mas penso que foi comido e, entretanto, já há mais assunto para comentar.

    Dizia no comentário original que não me chocavam as festas elaboradas, apenas a artificialidade daquelas que não se destinavam a agradar aos putos, mas sim a fazer publicidade ou a agradar aos adultos.

    Posto isto, há festas e festas. Não me parece que haja parecença entre uma festa dada num jardim de uma zona chic de Lx, apenas para que quem passasse visse as marcas e uma dada nos arredores de Cascais, essencialmente produzida pelos pais da criança.

    Também não acredito totalmente nos 54637829 comentários afirmando que sempre só deram e frequentaram festas de frango assado e bolos de cobertura amarela, onde as crianças corriam livremente, do mais simples que havia.

    O que é simples? Uma festa dada pela Palmier, mesmo não incluindo nada de gourmet ou oficialmente sofisticado, será sempre diferente de uma festa dada por pais de outro meio social,mesmo que em comum haja o frango assado. Negá-lo é insensato.

    Noutro blog, li pessoas adultas gozando, com uma maldade só aceitável na adolescÊncia, a cor das sobremesas da PN, só faltava escutar os risinhos abafados.

    Respeito a Palmier, sei que nunca descerá tão baixo, o que não impede concordar parcialmente com o que a PN diz. Não foi uma festa de luxo, exigindo o fecho de parte de Cascais e a vinda dos actores que deram voz aos bonecos do Frozen, envergando os respectivos fatos, que foi organizada. E se fosse, também não vejo o problema, mas continuo sem ver como é que uma festa organizada para agradar a uma menina se compara com a parolice de um piquenique em que o gosto do rapaz nem foi mencionado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónima, fiz uma observação genérica a um tipo de festa agora muito em voga que eu, desde os primórdios, não gosto nem de participar (ocasionalmente como convidada), nem de ver profusamente difundidas em blogs. Não é a primeira vez que o refiro (ver link acima -estou no tm e dá-me muito trabalho colá-lo aqui outra vez) e, julgo que ainda me é permitido ter uma opinião. Para os meus filhos não farei festas assim. É a minha opção.
      Quanto à publicidade (que obviamente não passa pelo local e momento da festa, não sejamos ingénuos -passa pela posterior divulgação nas redes sociais), a questão que coloco é: a partir de quantos links poderemos estar a falar de um post publicitário? Um, três, dez, vinte?
      Não faço a menor ideia de quem é esse tal rapaz do piquenique...

      Eliminar
    2. (Tinha eliminado todos os comentários que faziam referência a Bloggers em concreto. Talvez tivesse sido um desses...)

      Eliminar
    3. Uma pena! Tu não publicas, a Ursa também não, mas que raio de diálogo este.

      Outra anónima.

      Eliminar
    4. Anónimo (ah, ao tempo que não falava com anónimos!),

      Estimo saber que falam da cor das sobremesas da festa de aniversário da minha filha e da importância que me dão (e divirto-me))! Era para ter feito gelatinas cor-de-laranja e mousses cor-de-rosa mas o filme da Frozen é todo azuuuul e entre ser processada pela Disney ou ser comentada por comadres em blogs alheios, olha fiz a festa que me deu na real gana e na qual tooodos (especialmente a Ana) se divertiram imenso!

      Beijinhos

      Eliminar
    5. Pólo, este post foi geral e abstracto. Se o leres objectivamente vais reparar que assenta a todas as festas do género matchy-matchy. Nem no texto nem nos comentários foram feitas referências ao teu blog ou à tua festa (tirando duas excepções -anteriores aos teus comentários -que o referiram en passant). A maior parte das pessoas falaram da sua experiência pessoal e deram a sua opinião de forma educada e civilizada como é habitual, sendo que, provavelmente por se identificarem com o meu ponto de vista sendo por isso levadas a comentar, se mostraram de acordo. Os que gostam deste tipo de festa provavelmente hão-de comentar nos posts onde elas são profusamente fotografadas. Conforme te disse acima esta minha opinião não é de agora nem têm rigorosamente nada a ver, como o quiseste fazer parecer, com uma crítica social, pelo que chegamos finalmente ao ponto fulcral deste longo comentário -que me está a dar muito trabalho por estar no tm: o teu comentário supra não veio responder ao meu post, onde nunca falei de frango assado ou de beber pelo gargalo (falei de uma concorrência feroz entre as mães para proporcionar a festa mais bela -do meu ponto de vista excessivamente bela -aos seus filhos, esquecendo muitas vezes o essencial), veio, isso sim, responder a algumas críticas que, também eu, li por essa blogosfera fora. Ora, assim sendo, e uma vez que gosto pouco que este blog faça papel de de pombo-correio, agradeço que te valhas de outros meios, para passar a tua mensagem -o teu blog, FB, ou o que quiseres - ou te dirijas directamente às "comadres" sem passar aqui pela "casa de partida".

      Já agora aproveito para fechar esta caixa de comentários, uma vez que estou de férias e cansada de apagar comentários fervorosamente críticos do que se passou ali em cima...

      (Aproveito ainda para fazer um último reparo, que podes deitar no caixote do lixo mais próximo de assim o entenderes, mas que não ficaria de bem com a minha consciência se o não fizesse: o cinismo fica-te mal)

      Eliminar
  30. Estava a ler os comentários que se focam mais na existência ou não de um tema e do aniversário andar muito à volta disso mas acho que o que se trata aqui tem mais a ver com o grau de empenho e valorização que se dá a uma festa de um filho do que propriamente se tem tema ou coisas a combinar. Se uma mãe se sente feliz e tira prazer em toda a organização mais elaborada, não vejo mal nenhum. Não acredito é que seja o que move a maioria. A mim, pessoalmente não me dá prazer que seja tudo muito pensado e associo muito os aniversários a experiências. Mesmo no meu aniversário gosto de tentar fazer algum programa diferente e as festas com família alargada e amigos fica para de x em x anos ou em datas mais marcantes como os 18 anos e os 30 anos. Isto não é melhor nem pior do que quem gosta de as fazer todos os anos, são apenas formas de estar diferentes e daí dizer que em muitas coisas não sou, de facto, uma mãe esmerada e que acho que não tenho emenda (nem acho que deva ter :) ). O que verifico muitas vezes (e ressalvo que obviamente há excepções) é mães muito stressadas com os aniversários, que se cansam constantemente da trabalheira que dão a organizar mas mesmo assim continuam a fazê-los, supostamente pelos filhos, que na verdade recebem a mensagem indirecta (porque não são totós) de que é quase um fardo anual para a mãe. Mães que não se divertem porque querem ter tudo perfeito e daí associar muito festas desse género a questões de imagem por oposição a serem feitas por real gosto como por exemplo alguém que gosta particularmente decoração ou adora cozinhar ou apenas como desafio de algo diferente. O mesmo com noivas e tantas outras coisas, em que tenho alguma dificuldade em perceber porque é que há noivas que se colocam na posição de passarem um martírio para a festa desse dia. Com o meu filho talvez chegue a altura de lhe fazer grandes festas anuais porque existe a pressão dos pares e não cuspo para o ar mas como se o fizesse seria por esse motivo, por agora tenho a ideia de que isso não vai acontecer e que uns anos se fará festas pequenas ou grandes e outros iremos fazer algo em conjunto que ela queira muito e que lhe fique de alguma forma marcado como um dia especial. Não quero que ele pense que tem de ser todos os anos da mesma forma e acho que vai valorizar mais se nao se tornar algo previsivel todos os anos, assim como eu vou ter mais prazer em empenhar-me numa ou outra festa que aconteça de x em x tempo. É que fala-se muito nos filhos que depois se sentem diferentes quando os pais não aderem mas pergunto-me se isto das festas cada vez mais elaboradas não vão cair também numa banalização tal que já ninguém liga nenhuma e andam todos a ir às festas de todos da escolinha tipo agenda, sem qualquer significado, nomeadamente para as próprias crianças que assistem a uma pelo menos todos os meses e ficam felizes só porque acham que também têm de ter a festa como a que o amigo fez, reforçando a questão da imagem, do que propriamente porque a festa lhe trouxe experiências felizes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na escola dos meus filhos fazem-se festas conjuntas. Juntam-se os meninos da aula que fazem anos no mesmo mês e celebram todos juntos. Resulta muito bem :)

      Eliminar
  31. Palmier, a festa de 1 ano do meu filho mais velho foi na casa dos avós, no Algarve (faz anos em Agosto...), contratei palhaços e comprei pacotinhos, pratinhos, saquinhos etc, ah e UM bolo xpto, mas um só bolo. Só que fiz uma festa à tarde para a criançada e outra para os adultos... Os palhaços cantaram os parabéns e no fim distraída como só eu, retirei o bolo, pois o meu pai só ia chegar mais tarde e na minha cabeça não íamos partir o bolo sem o avô presente (1ºneto...) O engraçado é que na altura nem dei conta do disparate, ainda hoje choro a rir com a história, pois a minha irmã diz que só ouvia as crianças e o palhaço: e o bolo, não há bolo?! ahahahah
    De lá para cá foi sempre a decrescer, a simplificar.
    A verdade verdadeira? Cansam-me as festas! Serão as minhas crianças traumatizadas para todo o sempre?

    ResponderEliminar
  32. A Palmier não me conhece, eu não a conheço, e ainda bem que assim é.
    Admiro o seu sentido de humor, as suas "excentricidades", a sua escrita.
    E é isto.

    ResponderEliminar