sábado, 29 de agosto de 2015

Aquele dia em que o mar engole a praia

E que as pessoas se deixam estar no chapéu, no mesmo sítio de sempre, com um pequeno murete de areia a fazer as vezes de muralha da China, desafiando a natureza, olhando o mar nos olhos, como navegadores experientes, mostrando-lhe que não têm medo, que ali ao leme do chapéu-de-sol são mais do que eles, são um povo que quer o areal que é seu. Depois é vê-los a saltar como gafanhotos, a salvar os sapatos, os sacos, a arrastar toalhas ensopadas, a verificar se os telemóveis sobreviveram, tudo numa roda-viva, a andar três metros para cima, embrenhando-se nas quentes areias desconhecidas para, dez minutos depois, começar tudo de novo. São sempre divertidos estes dias.

8 comentários:

  1. Palmier,eras tu na praia dos alteirinhos???
    :):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não :) acho que hoje esteve assim em todo o lado :)

      Eliminar
  2. São uma animacao 😁tambem ja me aconteceu. Bjs

    ResponderEliminar
  3. Essa é a derradeira prova de que "a esperança é a última a morrer", o pessoal fica ali sempre, até à última com fé que o mar não suba até às toalhas! Já me aconteceu, pura fé!

    ResponderEliminar
  4. Tem muito mas muito mais piada nas praias de Sintra, em que para além de acontecer com muito maior frequência, o mar não se limita a molhar, leva tudo de arrasto lá para dentro, é a malta toda que não sabe se fuja, não sabe se corra atrás. Ah, as traiçoeiras, essa linda memória da minha infância... Que bom! (E no Algarve ainda percebo a fé, já na Praia das Maçãs, é mesmo wishful thinking. Ou o livro é mesmo bom ou assim).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AhahhhhHahhahahahahhhahhaahhahahahahahahahhahahahhahahahhahahahahahahahhahahahahahhahahahahhaha
      Tenho de ir assistir a isso! :DDDDDDDDD

      Eliminar
  5. Ontem estive na praia da Fábrica e foi isso mesmo que aconteceu, vi que as pessoas ficam até à última!

    ResponderEliminar
  6. Assisti a esse fenómeno e foi um fartote, cada vez que vinha uma onda, pegavam nas tralhas e andavam dois passos para trás. Há desportos bastante radicais, esse é um deles :D

    Tenho pena pela quantidade de tecnologia que vi morrer nessa tarde, paz às suas almas electrónicas.

    ResponderEliminar