segunda-feira, 18 de maio de 2015

Eu gostava de saber é como é que os meninos que vivem nas imediações do Marquês de Pombal e que foram fazer exame esta manhã, terão dormido esta noite...

É que eu, em minha casa, e ainda devemos estar a falar de uns bons quilómetros, consegui ouvir o discurso do Luís Filipe Vieira. Ouvi em stereo, pela janela e pela televisão.



22 comentários:

  1. Respostas
    1. É que nunca, repito, nunca, tinha ouvido o barulho do Marquês em minha casa!

      Eliminar
  2. E os das avenidas novas? Petardos nos caixotes do lixo, a cada dois minutos? Parecia que tinha rebentado uma guerra. Imbecis, pah!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que, no ano passado, não me lembro de nada disto...?! Não sei se foi diferente, se não estaria em Lisboa... não faço ideia, mas ontem foi uma loucura de que não tenho memória...

      Eliminar
  3. Eu pensei nisso foi quando vi miúdos de 7/8 anos no meio do marquês já passava da meia noite....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quanto a esses, os pais lá terão as suas opções... agora os outros, deitados na cama a tentar dormir...

      Eliminar
  4. Esperemos que, quando outro clube ganhe não seja altura de exames, que os adeptos festejem baixinho, sem foguetes nem barulheiras e que o presidente fale suavemente.Tudo civilizado como convém às elites. O povo, esse, festeja sempre sem modos, de outra maneira não poderia ser criticado e enxovalhado. Saudações benfiquistas e olé :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho muito bem que se festeje, a minha única perplexidade foi, sobretudo, para o volume do som dos altifalantes... não me lembro disto, por exemplo, no ano passado. Mas posso não ter estado em Lisboa, não faço ideia...

      Eliminar
    2. Palmier não te lembras disso o ano passado porque ano passado não houve microfones e altifalantes. O ano passado foi na base do improviso, este ano é que havia toda uma logística montada.

      Eliminar
    3. Eu não sabia que ter filhos era uma coisa de elites. Tambem não sabia que ter necessidade de dormir estava relacionado com a classe social.

      Eliminar
  5. No alto de Alfragide parecia noite de fim de ano, com foguetes e fogo de artifício 360º. De buzinadelas nem se fala. Pode não haver dinheiro para mais nada, mas para comemorações, caramba, somos pródigos...

    ResponderEliminar
  6. Na minha rua às nove da noite já estava tudo mais que silencioso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom que é viver no campo... :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
  7. É das coisas que eu não entendo: http://kissandmakeup.blogs.sapo.pt/das-coisas-que-eu-nao-entendo-3-409795

    ResponderEliminar
  8. Doce Palmier,
    Nem imagino como descansarão os meninos (e os idosos, também posso apelar aos velhinhos?) da Avenida da Liberdade durante o fim de semana inteirinho dos Santos. E os coitadinhos do Bairro Alto? E os do Cais do Sodré? Não tem altifalantes, mas é gritaria diária mesmo junto à cama. Será que se habituam?
    (Não se aborreça, que a bola é redonda e o mundo vai girando.)
    Boa sorte para os petizes.
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso não se habituam, tanto que fazem queixas e abaixo assinados constantemente á camara.

      Eliminar