terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A Maria Dourada

Vai pra quarenta anos que aqui vivo, diz-me Maria Dourada com a sua pronúncia cascalense, desviando os olhos duma teia de aranha marota, lá em cima no tecto, a pedir desesperadamente para ser limpa, primeiro como governanta da menina do rés-do-chão, está a ver a senhora doutora, era eu que ia às compras e coiso, que fazia os cockteles, muito cocktele fiz eu, que a menina, Deus a tenha, gostava muito de arreceber, ospois fui eu que criei o menino Martim, fui como uma mãe pra ele, que era levado da breca, e de manhã, então, era mau comás cobras, ainda tenho aqui uma mazela no joelho – levanta a perna das calças para mostrar-, está a ver a senhora doutora, que está enchado, isto foi de um pontapé que o gaiato me deu vai para uns trinta anos, que agora até vou ser operada e coiso, só me falta a credencial, mas já disse à velha lá de cima, isto é a gente a falar, como se costumádizer, que eu sei que a senhora doutora não vai contar a ninguém, que maperguntou se eu não podia ser operada no Verão, e  eu respondi-le: a senhora acha que eu posso escolher a data? Mas desque não me pagou o subsídio de Natal e coiso, está a ver a Senhora Doutora, eu nem le respondo, que é para ela perceber, sempre a acusar a gente de roubar, a arrebaixar a gente, e ospois vem dizer estas coisas, não se faz! Mas ela agora anda mansa que nem um cordeiro, que a D. Andorinha Fonseca e Santos deu-le o recado, a senhora doutora deve saber quem é, prima dos Avenca-Martins, aquele que é médico, casado com a menina chinchila Martins do Carmo? Não, não estou a ver… Sabe, a senhora doutora sabe, só que agora não está alembrada, ele é aquele que até aparece na televisão, um mulherengo que faxavôri, mas ela também se vingou bem, que aquilo era um entra e sai de homens naquela casa que oh, oh, agora foi para Paris passar os anos – e diz Paris com o coração cheio de raiva, os lábios apertados e sibilantes de desdém: Parizzzz – E a pessoa vai dando aqueles passinhos para trás, à espera de um intervalo no discurso, para poder dizer, “então até amanhã”, mas esse intervalo não surge, o monólogo da Maria Dourada continua a percorrer a árvore genealógica de gentes desconhecidas, enquanto se aperta no casaco de pele de coelho, presente da Dona Raposa Fogaz-Leitão quando foi com p’rá América cu marido, o Senhor Embaixador Formiguinho Antunes e Melo, que também era um senhor muito simpático, não desfazendo, tá a ver a senhora doutora, diz a Maria Dourada empoleirada nos seus saltos altos, as unhas pintadas de um encarnado profundo, excepto uma, que, cintilante, brilha mais do que as outras, o cabelo armado, uma cópia descarada do penteado da senhora do terceiro esquerdo, o mesmíssimo corte, a mesmíssima cor - porém com uma franja teimosa, que insiste em descair, cobrindo-lhe a testa e acentuando-lhe os traços porcinos -, um penteado que lhe permite acalentar o sonho de ser como elas, as que detesta.


16 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim, Mi, todos nós conhecemos as dificuldades do teu telefone :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
    2. :DDDDDD
      Estava aqui a pensar que estou quase a fazer anos, se calhar está na hora de alguém me oferecer um telefone burro, que os espertos, está visto, não querem nada comigo. :DDDD

      Eliminar
  2. Li bolacha Maria Torrada, Freud lá há-de explicar este meu acto falhado. Fiquei a pensar como seria a pronúncia Cascalense. É que tirando aquela pronúncia de cascais das tias afectadas, táá a vêr Palmi? eu acho que não tenho pronúncia... Palmi, Palmi, agora deixou-me com "macaquinhos" na cabeça.
    Conseguiu descalçar essa bota, quanto tempo depois?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é exactamente essa a pronúncia. Tudo isto se passa em género "tia". :D

      Eliminar
    2. Ahhhhhhhhh!! Isso lido assim ainda tem mais piada.
      Pronto, já posso ficar descansada e sem macaquinhos na cabeça :D :D

      Eliminar
  3. "isto é a gente a falar, como se costumádizer, que eu sei que a senhora doutora não vai contar a ninguém" lá agora contar a alguém! Xôtora Palmier não é dessas!

    [mas o que eu gosto destas histórias e da tua escrita! tens de escrever mais textos destes!]

    ResponderEliminar
  4. chinchila martins do Carmo.
    :DDDD Juto-te que me vi aflita para não engasgar seriamente.

    ResponderEliminar
  5. Do que te vais livrar, m'lhére!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até já estou com saudades destas conversas! É uma figura mesmo typical! :D

      Eliminar