segunda-feira, 7 de março de 2016

Palmier leu BES, Os Dias do Fim Revelados, e também conta como foi



No fundo volto a chegar à mesma conclusão de sempre: ou eram todos muito vígaros ou muito incompetentes. E na verdade não sei qual será a melhor opção.

(e não acrescenta rigorosamente nada de novo aos outros cinquenta livros que também já li, a não ser a reacção de Ricardo Salgado aos cinco mil e setecentos milhões de dólares de prejuízos do BESA: "uma situação pavorosa, eu não queria acreditar no que estava a ver, foi horroroso." E uma pessoa  não pode deixar de se enternecer perante tamanha apoquentação.)


20 comentários:

  1. Oh diabo, quem é que escolheu o styling da capa. Aquele pescoço ficaria tão melhor debaixo de um colarinho fechado e gravata Hermès.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda estou a tentar compreender a camisa... castanha (?) e o blazer parece... preto?!

      Eliminar
    2. Será que aquilo dos pobrezinhos lhe subiu à cabeça?

      Eliminar
    3. Ahahahhahhahahhahahahahhahahhhahahahahhahahahahahahahahahahahahhahahahahhahahahhahahhahahahhahahahhahahahhahahhahahhahahhahahahhahahhahaahhahahahhahahhahahahahhahahhahahahaahahahha
      Tanta brincadeira havia de dar nisto! :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Eliminar
    4. A escolha da camisa visou claramente afastar o preconceito relativo aos colarinhos brancos.
      :DDD

      Eliminar
    5. Ele que aprenda a vestir-se com o Pipoco!

      Eliminar
    6. Mi, :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

      Anónimo, tem de perceber que a família está toda desavinda, os Salgado também já não se falam...

      Eliminar
    7. Pois, é "um ensemble pavoroso, eu nem queria acreditar no que estava a ver, foi horroroso". :P
      É a versão pobrezinha do tio Salgado. Entretanto, por causa de uma mão cheia de trafulhas incompetentes, (ambos os adjectivos lhes servem, cara Palmier, pois o ladrão mais burro é aquele que mata a galinha dos ovos de ouro), lixa-se uma instituição e a sua equipa, que ao contrário destes mancebos, até é uma das melhores do país.

      Eliminar
    8. AAHAHAHAHAHAHAH! Tem razão!

      Eliminar
    9. Ana, esta é daquelas histórias que me hão-de fascinar até ao fim dos tempos... ainda hoje me pergunto, com a mesma estupefacção do primeiro dia, "como foi possível?" ...

      Eliminar
    10. É que não se trata de espatifar um papa-reformas na via rápida, que com qualquer toquezito vai para a sucata. Aquilo et suposto ser uma espécie de hummer, praticamente um blindado.

      Eliminar
    11. Um blindado não sei... acho que também não tinha essa visão... mas ainda assim também nunca imaginei que fosse como a casinha de palha dos três porquinhos.

      Eliminar

    12. É que o lobo mau angolano tem um sopro "muita" forte...

      Eliminar
    13. Ui, ui... e como! Leva tudo à frente! :D

      Eliminar
  2. ...calculo as noites que ele passou sem dormir...
    ...coitado!


    :)

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Lulu, eu tenho toda a bibliografia BES! :DDDDDDDDDDD

      Eliminar
  4. Acho que há um momento em que o poder aliena de tal forma que as pessoas, supostamente inteligentes, passam a julgar-se Deuses, imunes a tudo, capazes de tudo.
    Depois lixam-se, claro, que isto não é um filme de ficção!

    ResponderEliminar