terça-feira, 4 de setembro de 2012

Tenho um g'andA bronze (ou, mais um bocadinho e sou a Carolina Patrocínio)

A minha empregada apareceu lá em casa com a irmã (vinda da Guiné). Este foi o diálogo que tivemos logo pela manhã: 
Empregada para a irmã: Olha... esta é que é a doutora (é este o meu verdadeiro nome...)!
Irmã, olhando para mim, mas dirigindo-se a empregada: Mas ela é da nossa raça? E, claramente desiludida com a falta de alvez da patroa da irmã, acrescenta:
- Tu tinhas dito que ela era branca...

23 comentários:

  1. Coitada da senhora. Que desilusão ela teve! Mas também quem manda a irmã não contar que varias de raça consoante as fases do ano?

    ResponderEliminar
  2. Este seu post é de mau gosto. Por favor releia e se eu estiver errada faça o favor de se insurgir. Se não, corrija por favor aquela parte da falta de qualidade da patroa por ser da raça da empregada. É que da forma como escreveu é um pensamento seu, não verbalizado pela irmã da senhora que trabalha para si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Sal, Adoro a minha empregada. É preciosa para mim e para os meus filhos. Foi a primeira a rir-se com a atitude da irmã. Nunca tive qualquer preconceito relativamente a raças (ou, acrescente-se, credos). Acontece que, de facto, a irmã ficou desiludida. Queria uma "patroa" branca. branquinha e, de preferência, de olhos azuis :). Talvez porque a minha empregada nos elogie em sua casa e trate a minha filha por "a minha branca", a irmã estivesse à espera de uma família escandinava. Não deve interpretar NUNCA este post como uma forma de racismo simplesmente porque... não é. :) Mas, se acha que pode ser mal entendido, vou substituir qualidade, por ALVEZ. O que lhe parece? Melhor assim?

      Eliminar
    2. É sempre tudo uma questão de interpretação, por isso ressalvei que se estivesse a fazer a leitura errada que por favor se insurgisse e este "faça o favor de se insurgir" foi até escrito com um tom de brincadeira que, obviamente, não terá passado. Agradeço a sua resposta cordial e espero continuar a divertir-me com a leitura do seu blog porque a verdade é que já me ri muitas vezes com as suas histórias.

      Eliminar
    3. Linda!
      Amigas com dantes, companheiros para Abrantes!

      Eliminar
  3. Tudo menos a Carolina Patrocínio, please? ... Palmier foi incompreendido e precipitadamente jugado e condenedo. Lamento, porque SEI que não é nada disso!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que todos que aqui vêm sabem disso... mas obrigada minha Marie :DDD A partir de agora já sabe! My name is Patrocínio. Carolina Parocínio :DDD

      Eliminar
  4. Eu achei o post delicioso! As pessoas levam tudo muito a sério!?,descontraiam...a vida não está para se ser tão picuinhas!!! Eu fartei-me de rir a imaginar a cena!Fez-me lembrar um episódio com o meu filho,depois de umas férias de Verão,ao chegar ao infantário,uma empregada cabo- verdiana,quando o viu disse-me:o seu filho está da cor do meu!! Fartei-me de rir!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDD Merci Maria Teresa. Até fiquei aflita... Que eu não sou nada de ferir susceptibilidades (sobretudo deste tipo). O teu filho devia estar dar cor que o meu está agora! :DDD

      Eliminar
  5. Carolina Patrocínio? E o teu marido passaria a ser igual ao orangotango (gosto tanto desta palavra, tem um certo ritmo latino), ahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim! Isso era muito bom. Eu e o meu orangotango. Sempre no solário a esturricar! :DDD

      Eliminar
  6. Respostas
    1. PATIFE! Quanta honra! Muita agradecida pela visita :DDD

      Eliminar
    2. Sobretudo quando aqui se tratam assuntos, como direi, tão... púdicos :DDD

      Eliminar
  7. Ahahahahahahahahahah
    Só para rir!
    Lembrei-me de um episódio de há uns anos quando trabalha em produção de moda; no inicio de uma sessão fotográfica para um catálogo de uma marca do nosso burgo (de renome, aviso já), a equipa (eu, maquilhador, cabeleireiro, modelso, fotógrafo e assistente) fomos abordados por uma senhora, algo possidónia e com arremedos de quem pensa ter linhagem que se nos apresentou em tom superior e enfadado: "Olá, eu sou a Branca"; todos nos apresentámos e quando chegou a vez do assistente (um enooooorme amigo meu) que é cabo-verdiano, apresentou-se também dizendo: "E eu sou o Joe; o Preto!".
    Foi um fartote!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahhahahhahhahahahahahhahahahahahahahahahhahahaha G-E-N-I-A-L!!!! :DDDDD

      Eliminar
    2. Ahahhahahahahhaahahhahaha ainda me estou a rir!!!

      Eliminar
  8. Ai, rir-me tanto quer com o comentário da ´´O Sexo e a Idade´´ quer com teu post ahahahaha, vocês são tão engraçadas...

    ResponderEliminar