sexta-feira, 3 de maio de 2013

Ora então vamos lá aos presentes para o dia da mãe...

Da minha filha quero um beijinho. Um daqueles bons, com a boquinha em forma de coração, só assim, a tocar ao de leve. Quero um olhar cúmplice, daqueles em que abanamos as duas a cabeça da esquerda para a direita e nem precisamos de palavras. Quero que me peças colinho e me dês cabo das costas. Que me digas que eu tenho três rugas mas que há um creme que dá na televisão que me vai curar. Quero que te aninhes no meu colo à hora de dormir e que finjas que adormeceste. Quero levar-te para a cama, qual Bela Acordada, dura como uma tábua porque ainda não sabes fingir. Quero ouvir os teus passinhos a meio da noite. Quero que te deites entre nós e que faças costinhas com costinhas. Quero dormir assim, a sentir o teu calor. Quero os teus gestos sempre tão bonitos e graciosos, a tua delicadeza, a tua gentileza para com todos os que te rodeiam. Do meu filho quero um abraço. Um dos apertados. Mais apertado do que um abraço deve ser. Daqueles que me costumas dar, os que me estrafegam e me deixam sem ar. Aqueles com um encontrão e uma pisadela à mistura. Daqueles que só deixam vivos os mais fortes e resistentes. Quero que me dês um beijinho de fugida à porta da escola, não sem antes te assegurares que ninguém está a ver. Quero que limpes o meu beijinho logo a seguir, não vá dar-se o caso dele ficar ali pespegado, qual néon, na tua cara de macho-boy. Quero que te sentes de pernas para o ar porque não és capaz de te sentar direito. Quero que vás para a minha cama e que, passado uma hora, me digas que, afinal, na tua é que dormes bem. Quero ver os teus olhos a brilhar sempre que aprendes coisas novas. Quero saber o que se passa dentro da tua cabeça. Tu que falas, falas, falas e não me contas nada. Quero uma cana de pesca para, quando te conseguir apanhar a jeito, pescar os teus pensamentos. Quero os momentos raros em que mostras a tua vulnerabilidade e os outros, em que és o maior e dominas tudo à tua volta.  E, se não for pedir muito, só não quero uma coisa. Não quero que me digam "espera aí", nem "vou já".
E pronto, apesar de não ter o link de uma loja, é isto que quero para o dia da mãe. 


13 comentários:

  1. Ohhhhhh........
    Da piquena Cutxi vais ter uma caneca, ouvi dizer ;)

    ResponderEliminar
  2. Foi o melhor texto de dia da mãe da blogosfera :)

    ResponderEliminar
  3. Cá em casa só existiram presentes no dia da mãe e no dia do pai enquanto foram feitos na escola, agora que já não são, restam os beijinhos, os abracinhos, os espera aí e os vou já, e num dia qualquer. O resto não interessa para nada. :)

    ResponderEliminar
  4. É elevarem o ser mãe à pontência máxima ! É tão lindo !
    Eu quero beijinhos ! näo preciso que me dêm nada, principalmente dores de cabaça,.....desejo muito que naquele dia 5, os meus "filhos" , não sejam muito filhos da mãe....

    ResponderEliminar
  5. Palmier sou leitora diaria do seu blog, mas nunca me deu p comentar..rio-me imenso com as publicações da sua pequena Cutxi..mas este texto hoje..q profundo, bolas! deve ser por eu tb ser mãe de dois..e realmente expressou tudo aquilo q sinto.. obrigada. um beijinho.

    ResponderEliminar
  6. Eu também só desejo isso Palmier!
    E que TODOS os meus dias da mãe ME (nos) tragam tais presentes!
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  7. Tenho a certeza que eles te vão dar isso tudo e muito mais (porque és uma mãe 'bué da fixe'!) :)

    ResponderEliminar
  8. Sem mais palavras… é isso mesmo!

    ResponderEliminar
  9. Beijinhos e abraços?! Pffff! Que coisa mais popularucha, isso toda a gente tem!
    Então a Palmier não sabe que os filhos servem para fazer chantagem emocional aos maridos? Se assim não fosse esses forretas nunca nos dariam nada, nem jóias, de preferência com muito bling bling e dourado, nem o último grito tecnológico, e depois como mostrávamos a toda a gente o quão fabulosa a nossa vidinha é? Pois...
    Além disso, estou a ver que mima demasiado os seus filhos e que talvez até os incentiva a desenvolverem o seu potencial, está mal! Há que começar a incutir cedo nas criancinhas o sentimento de culpa, para que, mais tarde, esses sacaninhas façam sempre as nossas vontades.
    Aprenda, que eu não duro sempre. ;)

    ResponderEliminar
  10. Exactamente o que quero que descendência me dê :)

    ResponderEliminar