segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Afinal o carro não tinha “aqueles” problemas…

Telefonaram-me da oficina para ir buscar o carro. Quando lá cheguei, fui olhada de viés pelo chefe de oficina e respectivos mecânicos. Comunicaram-me que o carro não tinha… NADA! Insisti que o carro estava “estranho”. Perguntaram-me com um sorriso sarcástico (como quem diz: “o que é que tu percebes disto, oh criatura patética quer devia andar a vaguear pela Zara ou, no limite, a fazer decorações?!”) o que queria dizer com isso de “estranho”!? Puxei dos meus galões e expliquei, na minha melhor e mais sofisticada linguagem mecânico-automobilista que, com baixas rotações, o potente e ronronante motor da minha viatura “soluçava”. O chefe de oficina em tom descrente: Soluça?! Como? Quando? (na realidade no rosto estava-lhe estampada a seguinte súplica: “tirem-me esta indivíduA extremamente estilosa, mas para lá de ignorante, da minha oficina… imediatamente!). Lá expliquei, com o tom de voz em crescendo, que não podia puxar por ele! Que as mudanças não engrenavam automaticamente… que precisavam de uns segundos. Que estava a demorar quase 15s dos 0 aos 100 kms/h. Usei todos os termos técnicos que conheço de anos e anos a acompanhar a F1 com o meu pai (o freak da F1. O homem que tem a F1 gravada desde a existência das cassetes vídeo. O único que produz gráficos coloridos de todos os GP de F1). Nada… a descrença era por demais evidente. Com uma paciência de Jó, o senhor explicou-me que, quando sentia esses soluços, o carro devia estar a fazer a “regeneração”. Não querendo dar parte fraca, perguntei-lhe, no mesmo tom, o que queria dizer com isso da “regeneração”. "É quando o filtro do motor se limpa sozinho", respondeu. Ao que repliquei… “Ahhhhhhh! Como os fornos da cozinha?! Que têm uma auto-lavagem?!” Sim! Disse ele com alegria. E, a partir daí entendemo-nos às mil maravilhas. A partir desse momento a ordem regressou ao mundo. Os planetas alinharam-se no universo. As coisas voltaram a ser como sempre deviam ter sido. Estava, finalmente, cada macaco no seu galho….

12 comentários:

  1. Epá!
    Se o carro também aquecer como os fornos, isso dá uma jeitaça para assar o cabrito do Natal!
    É que vai todo de uma vez!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahhahahahahhahahahahahahahhahahahaha e junto o peru! Assa tudo ao mesmo tempo! :DDDD

      Eliminar
  2. Soluços (receita da Bisavó):repirar fudo suster a respiração enquanto se conta mentalmente até 12...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mantendo o graço direito no ar, levantado acima da cabeça!

      Eliminar
  3. "Jó"?! De Jó...net?! Eu sei que, actualmente, há muitos que não sabem o que é JOB mas, Palmier, por favor!... (Eu sei que a grafar "Jó" também é correcto, foi só uma brincadeira parva!) ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou já corrigir! Era uma linguagem mecânico-automobilística... ;)

      Eliminar
    2. Corrigido porquê? Jó,Livro de Jó....

      Eliminar
    3. Mau! Então em que ficamos?!
      Vou voltar a corrigir...

      Eliminar
    4. E por que há-de haver gente descontente à sua conta? Hã!?
      Pois os dois. Jó seguido de (Job).
      Que mania a das mulheres complicarem sempre o que é naturalmente fácil.

      Eliminar
    5. Ponha os dois; queria dizer.

      Eliminar