quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Reflexões sobre uma viagem na A2

A nossa viagem é feita com a roupa de praia, como se estivéssemos a regressar de uma ida à Costa da Caparica. Mostramos assim ao mundo a nossa modernidade e o nosso desprendimento. A música vai a bombar (cada vez gosto mais de ouvir música alto quando viajo de carro. Temo estar a ficar surda...) e o motor a ronronar. Ao entrar na A2 a viagem começa a ganhar o seu encanto. De Sotavento vêm os carros que (como o meu) ostentam a terra de quem passou um mês em praias algarvias. As bagageiras, para além das malas, levam areia. Dunas, mesmo. Há um sentimento de reconhecimento entre estes condutores de veículos de alta cilindrada (e cheios de crise) que circulam a grande velocidade. Com o sol do lado esquerdo a bater nas nossas peles bronzeadas, ultrapassamo-nos mutuamente e olhamo-nos através dos nossos óculos escuros. Fingimos não nos ver. Gostamos disso. Mas, sentimos a partilha, a pertença. Depois do descanso, aqui vamos nós, com a nossa inteligência no banco de trás. Levamos a inteligência nas cadeirinhas-auto, para ir bem segura. Não pode ser desperdiçada. Vamos trabalhar em coisas importantes para salvar este país. Vamos a fazer conference calls para nos irmos habituando. Mandamos no mundo. Somos bons. Os nossos carros vão sujos. Não lhes damos importância. São apenas objectos. De luxo, mas objectos. E isto, é maravilhoso. Chego a ficar extremamente emocionada. Não damos importância aos carros comerciais (não fazem parte do nosso círculo). Ignoramos os camiões de mercadorias que transportam tomate. Muito tomate circulava hoje pela A2. Certamente para nos arruinar o nosso cenário de grandeza. E para dar azo a piadas brejeiras. Paramos nas áreas de serviço e fazemos xixis. Também comemos sanduíches. Ficamos embuchados.  Temos de beber água que, infelizmente, nos sai pelo nariz. Ás vezes bebemos cafés. Mas depois os dentes não ficam tão brancos e não podemos sorrir de coisas engraçadas. Não que existam coisas engraçadas nas áreas de serviço. Mas nunca fiando.
Amanhã, vou trabalhar... Acho que estou com delírios  febris... 

17 comentários:

  1. Oh happy day....um chá quentinho e u Ben u ron.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))) e um anti-psicótico... também ajudava! :DDD

      Eliminar
  2. Maman chama por Uena e Sexinho29 de agosto de 2012 às 04:01

    Maman pede socorro; Uena e Sexinho,tomem conta da vossa irmã Palmier! Receio que tenha ensandecido. Começou por dizer possuir uma frota automóvel digna de um shake árabe, passou à fase de construir barcos na areia e convencer-se de que tripulava lanchas de alta velocidade,e hoje era vê-la, rumo a Lisboa, qual D.Quixote, disposta a enfrentar a troica.
    Mais grave ainda,empurava para a parte de trás do carro algo invisível e resmungava que a sua inteligencia era tão descomunal que não cabia no carro. Dizia mesmo que tinha que comprar um carro maior.
    Sabém bem que a vossa irmã vive do ordenado mínimo e que a continuar com esta megalomania não tarda será mais uma no desemprego. Temo que se a troica a receber, não mais cá ponha os pés o que para todos nós criará grandes dificuldades, deixaremos de empobrecer, e a Palmier ainda é capaz de ficar tão milionária como julga ser.
    Maman está desesperada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já cá estou Maman!
      Cuidarei da big sis como se fosse minha de verdade.
      Até lhe vou dar 5 éritos por mês para juntar ao ordenadinho miserável que ela ganha.
      Se for necessário empresto o chaimite, que continua com o vidro avariado, para ela juntar à frota.
      No worry Maman! Estamos aqui!

      Eliminar
    2. Já cheguei Maman!
      Peço desculpa mas estava refém do senhor da TMN!
      Pode desde já ficar descansada que tomarei boa conta da mana Palmieri!
      10 aéreos para o passe social e um prato de sopa nunca lhe faltarão!
      O carrito faz-me falta por isso não o posso emprestar, mas mana Uena já se chegou à frente com o chaimite; terei no entanto todo o gosto em emprestar-lhe os Louboutin sempre que necessário!
      Mana Uena, a big sis sou eu; Palmieri é a do meio!

      Eliminar
    3. São as duas big para mim :D
      Mas passará a middle sis, vá hehe
      Conto com uma sopinha de vez em quando tb! Sopa de mana sabe sempre melhor do que a minha! :D

      Eliminar
    4. Mas então, então... eu tenho vindo a avisar que tudo reluziria como oiro nesta residência... Foram os anti-psicóticos (ou a falta deles)... ficaram esquecidos no Barlavento...
      Pelos vistos, fiz bom negócio. Alimentação, transporte e calçado já cá cantam.
      Uenita, Passa por casa de big sis, traz a sopa e os louboutin (muito importante! Não esquecer) e, depois, deixa o chaimite estacionado aqui à porta!
      Muit'agradecida! :DDD

      Eliminar
    5. Obrigada pequenotas, conto convosco .

      Eliminar
  3. Como podem ver pela descrição de Palmier, a mesma encontra-se desnorteada, dirigia-se de Sul para Norte, o que se comprova pelo facto de o sol poente estar à sua esquerda, e referia-se ao tráfego que circulava na A2, como vindo de sotavento. Perdeu completamente o Norte!
    Devo dizer que esteve sempre no barlavento. O que é que a terá levado a julgar-se ida de sotavento?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com tudo isto eu também já não estou muito orientada...

      Eliminar
  4. Ai as saudades que eu tenho de regressar do sul com o carro empoeirado e sentir que sou dona do mundo!... suspiiiiro...

    ResponderEliminar
  5. Só espero que as areias nào se tenham ficado por invadir o carro, e amanhã possas levar algumas como recordações aos distintos colegas de trabalho, para eles se entreterem a fazer castelinhos no escritório, enquanto escutam os teus empolgantes relatos dos dias passados na Meia-Praia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi muito giro! Eles fizeram imensos castelos com o balde e a pá. O pior foi depois tirar a areia dali... mas é para isso que lhes pago! :DDD

      Eliminar